Mostrando postagens com marcador Identidade. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Identidade. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 22 de junho de 2022

Como provar que você é transgênero ou não-binário?

Traduzido de Aleksandra Pawłwoska

Spoiler: não é fácil

Há muitas reações que alguém pode receber ao sair do armário – desde alegria, indiferença até antipatia visível. No entanto, a mais peculiar que eu já me deparei não estava em nenhum lugar do espectro “bom-ruim”. Em vez disso, era uma frase única e extremamente desconcertante:

"Eu não acredito em você. Não há sinais."

Não foi uma reação positiva, nem negativa – foi pura negação. Minha saída do armário aparentemente foi refletida para mim: eu tinha que provar que era trans e algo tão simples quanto a minha palavra não era suficiente.

Mas como diabos você pode fazer isso?

Um tipo de prova de que você é transgênero é quase sempre, pelo menos aqui na Polônia, por burocracia exigida pelos profissionais médicos para prescrever hormônios e fornecer os laudos necessários para solicitar uma mudança de gênero nos documentos. Na melhor das hipóteses, que eu felizmente tive, você é questionado sobre seu passado, sexualidade e é obrigado a preencher meia dúzia de testes, que se unem em um gráfico que supostamente mostra se você é realmente transgênero. Certamente, isso seria prova suficiente e mais um pouco.

quarta-feira, 8 de junho de 2022

Eu não entendo a Disforia de Gênero

Traduzido de Aleksandra Pawłwoska

Falo sério, como isso funciona?

A disforia de gênero é, para uma parte significativa de nós, uma questão intrínseca da experiência transgênero. É um sentimento inexplicável de tristeza, desconforto e inadequação que cerca o indivíduo. E esse sentimento fica flutuando, sendo que às vezes fica insuportável e às vezes fica imperceptível.

Mas, tipo, eu não posso ser a única pessoa que simplesmente não entende bem, certo? Parece haver tantas causas diferentes de disforia, tantas maneiras diferentes de sentir a disforia. Inclusive, há também a euforia de gênero, que seria o oposto da disforia – uma sensação de conforto, felicidade, de estar contente em seu estado de ser. E quanto mais eu penso neles, menos sinto que os compreendo.

Parece que “disforia de gênero” é, na verdade, vários fenômenos diferentes, que se alimentam um do outro. Quero explorá-los brevemente – e como eles se relacionam. Fora que, tudo isso é coisa que acabei de inventar, não há precedente oficial para nada disso, é apenas uma estrutura para mim e para outras pessoas trans, para nos entendermos melhor.

O estado de disforia

O estado geral de disforia é o que provavelmente a maioria das pessoas tem em mente quando diz “disforia de gênero”. Não é bem um sentimento, é mais um “estado de ser”, semelhante a “ter depressão” (ao invés de “estar deprimido”).

quarta-feira, 25 de maio de 2022

O menino que foi criado como menina

Traduzido de Celeste Anise

Mentiram sobre o gênero dele

Eu me deparei com esta história há alguns dias e me senti compelida a escrever sobre isso. Especialmente à luz do que o estado do Texas (E.U.A.) está tentando fazer contra pessoas transgêneros. Também queria escrever sobre isso porque notei muitos comentários sobre essa história dizendo que ela validava ideais anti-transgêneros e eu queria mostrar que ela faz justamente o oposto disso.

“Em 1965, David Reimer nasceu junto com seu irmão gêmeo. Quando tinham 8 meses de idade, David e seu irmão tiveram um pequeno problema médico envolvendo seus pênis, ambos desenvolveram fimose (micção dolorosa devido à obstrução da saída do pênis), então o médico recomendou que ambos os meninos fossem circuncidados. Bruce foi primeiro e deu tudo certo. Na vez do David, o cirurgião regular não estava presente e um assistente assumiu a execução da cirurgia. Usando um método inadequado, o assistente realizou o procedimento e a operação deu errado, queimando todo o pênis do menino. Estava tão queimado que não podia nem ser reparado cirurgicamente.

Seus pais não sabiam o que fazer a respeito das perspectivas do filho para a felicidade futura e a função sexual sem ele ter um pênis. Eles souberam então de um médico em Baltimore que ganhou uma certa reputação por ajudar pessoas de gênero ambíguo. Seu nome era Dr. John Money. Depois de se encontrar com o Dr. John, os pais concordaram em ter o filho “reatribuído” e transformado em uma menina por meio de tratamentos cirúrgicos, hormonais e psicológicos. Dr. Money aproveitou esta oportunidade como se fosse um experimento. Assim os pais de David foram instruídos a criá-lo como uma menina. A família foi aconselhada a não divulgar nada a ninguém.

quarta-feira, 18 de maio de 2022

A masculinidade de hoje é sufocante

Traduzido de Sarah C. Rich

À medida que os meninos crescem, o processo de se tornarem homens os encoraja a abandonarem conexões íntimas e inteligência emocional que adicionam sentido à vida

Em retrospectiva, nosso filho estava se preparando para usar um vestido na escola por algum tempo. Durante meses, ele usou vestidos – ou sua fantasia de sereia roxa e verde – nos fins de semana e depois da escola. Então ele começou a usá-los para dormir em vez de pijamas, trocando-os depois do café da manhã. Finalmente, certa manhã, eu levei para ele a calça e a camisa limpa, e ele olhou para mim e disse: “Já estou vestido”.

Ele estava sentado no sofá com um vestido de verão de algodão cinza coberto de unicórnios com crinas de arco-íris. Ele dormiu usando ele e, em seus sonhos, imagino eu, ficava em um pódio fazendo discursos inspiradores para uma plateia composta apenas por ele mesmo. Quando acordou, ele estava pronto.

Ele caminhou o meio quarteirão até a escola com um passo saltitante e o peito orgulhoso. "Meus amigos vão dizer que vestidos não são para meninos", ele me disse casualmente por cima do ombro. "Verdade, eles podem dizer isso", eu concordei. “E você pode simplesmente dizer a eles que está confortável consigo mesmo e que isso é tudo o que importa.” Pensei em todas as outras coisas que ele poderia falar. Comecei a enumerá-los, mas ele estava correndo pelo asfalto.

Examinei a entrada para ver se algum dos pais nos notou enquanto entravam e saíam. Eu não esperava que meu estômago se revirasse. Senti orgulho dele por sua autoconfiança, pela maneira como ele se preparou para isso em silêncio e em seu próprio ritmo, mas me preocupei com os julgamentos e conclusões que outros pais e professores poderiam tirar. E é claro que eu temia que alguém o envergonhasse.

quarta-feira, 20 de abril de 2022

A música me ajuda a aliviar a disforia de gênero

Foto de @annasecretpoet

Traduzido de Anna B.

Quando eu sinto disforia, a música me carrega para outro universo.

Quando eu tinha quatro anos de idade, fui até a minha mãe e disse a ela que tinha algo de errado. Eu não me sentia um menino. O ano era 1976. Como boa parte dos pais daquela época, eles não fizeram nada a respeito. Ignore-o e talvez ele vá embora. Depois disso eu não tenho nenhuma memória de me abrir dessa maneira com eles novamente. E eu estava sofrendo por dentro.

Alguns anos depois, na escola primária que eu frequentava, tínhamos aula de música. Eu absolutamente amei a aula de música e a minha professora, Sra. MacNamara. Ela percebeu que eu tinha uma habilidade natural para tocar todos os instrumentos musicais da sala de aula com facilidade.

Ela me fez ficar depois da aula um dia e tocar todos os instrumentos musicais que ela podia colocar em minhas mãos. Ela me mostrou como cantar escalas maiores e menores em uníssono com o piano, e eu aprendi rapidamente. Ela parecia muito animada!

Quando surgiram as reuniões de pais e professores, a Sra. MacNamara fez questão de dizer aos meus pais que eu tinha um talento natural para tocar instrumentos musicais. Meus pais sorriram e disseram “oh, isso é legal”. A Sra. MacNamara tentou explicar a eles que isso era algo que eles precisariam nutrir para evoluir. Mas mais uma vez, meus pais não fizeram nada a respeito.

A Sra. MacNamara deu à classe um dever de casa em que tínhamos que criar uma música original e gravá-la em um pequeno gravador de mão, usando quaisquer instrumentos que tivéssemos em casa ou que precisássemos emprestar da sala de aula.

quarta-feira, 6 de abril de 2022

Vergonha Transgênero

Traduzido de Emma Holliday

A vergonha transgênero é uma masmorra emocional profunda e com poucas saídas.

Vergonha: um sentimento doloroso que é uma mistura de arrependimento, auto ódio e desonra.

Envergonhado: sentir vergonha; sentir angustiado ou embaraçado por sentimentos de culpa, tolice ou desgraça.

Embora eu não soubesse que eu era uma pessoa transgênero até completar meus 61 anos de idade, durante toda a minha vida eu senti vergonha da percepção que eu tinha da minha própria identidade masculina, ou masculinidade. Desde o princípio me ensinaram que eu era um homem e por toda a minha vida foi esperado de mim fazer nada além de coisas masculinas.

A sociedade tem paredes rígidas. Algumas são boas e outras são ruins. Fazer parte dela traz algumas penalidades pesadas caso você não siga suas regras.

Você seria considerado um depravado caso desviasse da rígida regra binária de gênero. Então, por essa razão, eu mantive a minha confusão de gênero em segredo por décadas. A profundidade dessa realidade eu escondi até de mim mesmo.

Ser um “macho” tem muitas regras. Uma das mais difíceis é a tal da honra. Os homens são fortemente doutrinados a manter um certo senso de honra, e a vergonha faz parte do mecanismo de controle. Ela costuma ser usada de maneira bem eficaz pela sociedade.

quarta-feira, 30 de março de 2022

A psicologia do crossdressing

Traduzido de The School of Life 

O que é crossdressing e por que fazemos isso?

O crossdressing, e aqui nos referimos particularmente a homens que se vestem de mulher, tende a ter uma má reputação. A ideia de um homem que se entusiasma em vestir uma meia calça tem sido tradicionalmente vista como risível, lamentável – e simplesmente sinistra. Em geral, supõe-se que um casamento facilmente chegaria ao fim no dia em que a esposa encontrasse o marido de calcinha; e que um gerente perderia toda a autoridade se seus colegas soubessem de seu fascínio por maquiagens como rímel e batom. A partir dessa perspectiva, o crossdressing parece uma admissão de fracasso. Em vez de viver de acordo com um ideal de força, robustez e pura "normalidade", um homem que gosta de usar um vestido é considerado um desviante de um tipo particularmente alarmante.

Porém, na verdade, o travestismo se baseia em um desejo altamente lógico e universal: o desejo de ser, por um tempo, o gênero que se admira, se excita e, talvez, se ame. Vestir-se como uma mulher é apenas uma maneira dramática, mas essencialmente razoável, de se aproximar das experiências do sexo sobre o qual se está profundamente curioso – e ainda assim foi (um pouco arbitrariamente) impedido. Conhecemos bem o crossdressing em outras áreas da vida e nem nos damos conta disso. Um menino de cinco anos que vive em um subúrbio de Copenhague e que desenvolve um interesse pelo estilo de vida dos vaqueiros das planícies do Arizona seria encorajado a vestir um chapéu, jeans e colete e apontar sua pistola para um chefe índio imaginário – para aplacar seu desejo de se aproximar um pouco mais do assunto de seu fascínio.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2022

E se você não for realmente transgênero?

Bom dia a todos e feliz ano novo! Esse ano eu pretendo continuar trazendo mais textos toda quarta-feira para fazer vocês refletirem um pouco, além de dicas, fotos, HQs e qualquer assunto interessante relacionado à nossa vivência fora da norma. A começar por esse texto de um terapeuta americano trans e queer que trata da auto dúvida que temos a respeito da nossa própria identidade. Ele foca em vivências trans, mas o contexto vale igualmente para qualquer pessoa que foge da linha cis-hétero.

Traduzido de Terapeuta Trans

Como lidar com essa questão assustadora.

Eu me entendi como sendo uma pessoa transgênero quando estava com 26 anos. Comecei a fazer a terapia hormonal alguns meses depois e mudei legalmente meu nome alguns meses depois disso. Embora eu tivesse muitas pessoas que me apoiavam, ainda foi uma das coisas mais difíceis que eu fiz na minha vida. Eu não trocaria isso por nada e estou feliz por ter abraçado quem eu realmente sou.

Nos primeiros anos, fui atormentado por preocupações sobre a validade da minha identidade trans. E se eu não for realmente trans? Eu pensava comigo mesmo. E se eu estiver errado e acabar cometendo um erro terrível? E se eu tiver que desfazer a transição e me sentir insuportavelmente envergonhado?

A maioria das minhas preocupações se baseavam na minha ansiedade, o que significa que estavam focadas no futuro. Essas eram coisas que ainda não haviam acontecido e podem nem acontecer. Para mim, não aconteceu. Embora a destransição faça parte da jornada de algumas pessoas, a maioria das pessoas trans não passam por essa experiência. Infelizmente, as poucas pessoas que desfazem a transição acabam sendo usadas como evidência de que pessoas trans em geral não são reais, o que não só ataca pessoas trans, mas objetifica aqueles que vêm a perceber que não são trans (ou que prefeririam viver a vida como se forem cis, mesmo que não sejam).

Ainda tenho essas preocupações de vez em quando, embora não sejam tão comuns. Até o momento já se passaram cerca de cinco anos e essas preocupações diminuíram à medida que relaxei em minha identidade.