Mostrando postagens com marcador Igualdade de gênero. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Igualdade de gênero. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 18 de maio de 2022

A masculinidade de hoje é sufocante

Traduzido de Sarah C. Rich

À medida que os meninos crescem, o processo de se tornarem homens os encoraja a abandonarem conexões íntimas e inteligência emocional que adicionam sentido à vida

Em retrospectiva, nosso filho estava se preparando para usar um vestido na escola por algum tempo. Durante meses, ele usou vestidos – ou sua fantasia de sereia roxa e verde – nos fins de semana e depois da escola. Então ele começou a usá-los para dormir em vez de pijamas, trocando-os depois do café da manhã. Finalmente, certa manhã, eu levei para ele a calça e a camisa limpa, e ele olhou para mim e disse: “Já estou vestido”.

Ele estava sentado no sofá com um vestido de verão de algodão cinza coberto de unicórnios com crinas de arco-íris. Ele dormiu usando ele e, em seus sonhos, imagino eu, ficava em um pódio fazendo discursos inspiradores para uma plateia composta apenas por ele mesmo. Quando acordou, ele estava pronto.

Ele caminhou o meio quarteirão até a escola com um passo saltitante e o peito orgulhoso. "Meus amigos vão dizer que vestidos não são para meninos", ele me disse casualmente por cima do ombro. "Verdade, eles podem dizer isso", eu concordei. “E você pode simplesmente dizer a eles que está confortável consigo mesmo e que isso é tudo o que importa.” Pensei em todas as outras coisas que ele poderia falar. Comecei a enumerá-los, mas ele estava correndo pelo asfalto.

Examinei a entrada para ver se algum dos pais nos notou enquanto entravam e saíam. Eu não esperava que meu estômago se revirasse. Senti orgulho dele por sua autoconfiança, pela maneira como ele se preparou para isso em silêncio e em seu próprio ritmo, mas me preocupei com os julgamentos e conclusões que outros pais e professores poderiam tirar. E é claro que eu temia que alguém o envergonhasse.

quarta-feira, 11 de agosto de 2021

Por que de azul para meninos e rosa para meninas?

Cada geração traz uma nova definição de masculinidade e feminilidade e isso acaba se manifestando nas roupas infantis. Esse negócio de azul para meninos e rosa para meninas é algo relativamente recente pois o costume surgiu apenas no meio do século passado, fora que no caminho ainda teve um empurrãozinho da indústria da moda para incentivar os pais a gastar mais dinheiro com as roupas dos filhos. 

Adaptado de Smithsonian Magazine

O pequeno Franklin Delano Roosevelt, 32º presidente dos Estados Unidos, se apresenta na foto sentado recatadamente em um banquinho, com uma saia branca espalhada suavemente sobre o seu colo e com as mãos segurando um chapéu enfeitado com uma pena de marabu. Cabelo na altura dos ombros e sapatos de festa de couro envernizado completam o conjunto.

As pessoas costumam achar essa aparência meio inquietante hoje para um menino, porém a convenção social de 1884, quando Roosevelt foi fotografado aos 2 anos e meio, ditava que os meninos e as meninas deveriam usar vestidos até os 6 ou 7 anos de idade. Também era nessa idade que costumava ocorrer o primeiro corte de cabelo da criança. A roupa do Franklin era considerada neutra em termos de gênero.

Assim como os outros meninos da sua época, Franklin Roosevelt aparece trajando um vestido na foto.
Este retrato de estúdio provavelmente foi tirado em Nova York em 1884.

Hoje em dia as pessoas tem a necessidade de saber o sexo de um bebê ou de uma criança pequena logo à primeira vista, diz Jo B. Paoletti, historiadora da Universidade de Maryland e autora do livro Pink and Blue: Telling the Boys From the Girls in America (Rosa e azul: separando os meninos das meninas na América, 2012, sem versão em português). Assim, vemos, por exemplo, uma faixa rosa envolvendo a cabeça calva de uma menina.

Por que o estilo de roupa das crianças mudou tão drasticamente?
Como terminamos com duas “equipes”, meninos de azul e meninas de rosa?

“É, na verdade, a história do que aconteceu com as roupas neutras”, diz Paoletti, que explorou o significado das roupas infantis por 30 anos. Por séculos, diz ela, as crianças usaram vestidos brancos delicados até os 6 anos de idade. “O que antes era uma questão de praticidade – você veste seu bebê com vestidos e fraldas brancos; algodão branco pode ser branqueado – tornou-se uma questão de ‘Meu Deus, se eu vestir meu bebê da maneira errada ele vai se tornar um pervertido’ ”, diz Paoletti.