Mostrando postagens com marcador Transgênero. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Transgênero. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 10 de julho de 2024

Purge de Crossdresser, como evitar?

Traduzido de Pretty Sissy Academy

Se você é um homem feminino (crossdresser, femboy, sissy, cdzinha ou até transgênero no armário...), você conhece as lutas de manter sua identidade escondida de um mundo que não te entende. Você compra furtivamente sua lingerie e usa ela apenas em segredo. Tudo na esperança de um dia abraçar completamente seu verdadeiro eu. Mas quando você pensa que está seguro, uma nuvem escura paira sobre o horizonte – o temido expurgo de crossdresser (também conhecido como purge).

A ideia de saber que tem gente desesperada jogando fora suas amadas calcinhas, sutiãs rendados e perucas fofas me dá arrepios na espinha. Mas não tenha medo, pois estou aqui para te guiar pelo mundo traiçoeiro e desnecessário dos expurgos!

Primeiramente, devo esclarecer o que é exatamente um expurgo. Para aqueles que não estão familiarizados com o termo, um expurgo é quando um crossdresser se sente sobrecarregado pela culpa ou vergonha e decide se livrar de todos os seus itens femininos e tenta se conformar às expectativas sociais de normas de gênero.

Então, como podemos evitar essa experiência traumática?

quarta-feira, 26 de junho de 2024

Conheci uma mulher trans em um banheiro feminino

Traduzido de Pretty Sissy Academy

Nós trocamos olhares pelo espelho. Seu sorriso gentil combinava com o meu, um reconhecimento mútuo de nossa presença compartilhada. Ela tirou uma escova de cabelo da bolsa. Era uma escova tão bonita. Rosa choque com strass. Eu adorei, embora eu não tivesse coragem de carregar uma assim. Certamente, as pessoas não me considerariam séria o suficiente.

Precisamos abordar o discurso distorcido em torno do "debate trans". Ele é perpetuado por aqueles com uma missão ideológica de invalidar os direitos das pessoas transgênero, alegando que mulheres e meninas cisgênero precisam de proteção contra mulheres trans (ou aquelas que se passam por elas) que são falsamente retratadas como ameaças potenciais em espaços privados.

É minha firme convicção, compartilhada pela maioria das mulheres cisgênero — exceto aquelas na mesma missão ideológica — que o perigo percebido de mulheres trans é uma falácia. Na realidade, são aquelas que fingem estar tão preocupadas com nossa segurança que representam um risco maior.

Refletindo sobre minhas próprias experiências como uma mulher de 27 anos que se socializou predominantemente dentro da comunidade LGBTQ+ na última década, posso dizer com segurança que esse perigo é imaginário. Você sabe quantas vezes me senti em perigo? Zero.

quarta-feira, 12 de junho de 2024

Meu obituário transgênero

Todas as fotos deste ensaio foram tiradas no Cemitério Green Mount,
em Montpelier (Vermont, EUA) pela autora.

Traduzido de Kasey Phipps

Por que as pessoas trans temem funerais e por que estou abraçando o meu. 

Tenho tido problemas para escrever o meu próprio obituário.

Não que eu esteja esperando morrer tão cedo. Sinto que, sendo alguém que está nos estágios iniciais da transição, é um exercício útil.

Fiquei emocionada ao fazer isso depois que uma mulher trans da minha região foi morta tentando ajudar um estranho. Embora sua família, seu local de trabalho e sua cidade a conhecessem como essa mulher incrível, os relatórios policiais e a cobertura da mídia citavam o seu nome masculino e a tratavam como homem. Já é bastante desrespeitoso fazer essas coisas em vida, mas na morte isso assume um novo nível de insulto.

Ler sobre isso despertou em mim um novo medo, que aparentemente é muito comum em pessoas trans. Como serei honrado quando eu morrer? Mais especificamente: como será o meu funeral?

quarta-feira, 15 de maio de 2024

Explorando os estágios da evolução transgênero

Traduzido de Salina Brett

“Como é ser transgênero?”

A sensação de ser transgênero é tão variada que é praticamente impossível dividi-la em algumas categorias. No entanto, existem experiências que são muito comuns entre pessoas com disforia de gênero, que seria um “sofrimento psicológico que resulta de uma incongruência entre o sexo atribuído no nascimento e a identidade de gênero”.

Todos os dias, milhares de pessoas buscam informações sobre a disforia de gênero, desde pais com filhos em busca de um gênero, familiares, parentes e pessoas que estão vivenciando essa experiência. No meu caso, sou uma mulher transgênero em plena transição que está envolvida em funções de defesa LGBTQIA+ há vários anos. Conheci pessoas de todas as idades e de diversos locais que compartilharam suas experiências de gênero comigo. Também sigo vários escritores do Medium que são abençoadamente abertos e honestos sobre suas experiências pessoais. O texto que escrevi abaixo é baseado na minha própria pesquisa e experiência. Minha intenção é fornecer um guia, uma referência, algo para evocar reflexão e consideração e encorajar todos os meus irmãos e irmãs que buscam seu gênero por aí. Claro que não pretendo dizer “a palavra final”. Ainda há muito desconhecimento sobre a experiência transgênero, tanto médica quanto psicológica.

Uma observação final antes de chegar ao cerne da questão: as jornadas de gênero não são lineares, elas são fluidas. O vento ao redor flui e derrama e cria redemoinhos e redemoinhos e quedas. Reuni minhas informações para ajudar outras pessoas a entender o que é ser transgênero, não para criar um roteiro com algum destino final. A jornada de uma pessoa termina quando e onde ela deseja.

Com esse prelúdio, apresento a seguir os três estágios da evolução transgênero: descoberta, transição e resolução.

quarta-feira, 20 de dezembro de 2023

Apenas um homem aceitando a beleza da ambiguidade de gênero


Traduzido de Kathi Rei

Você já se pegou pensando nas reviravoltas da sua própria feminilidade?

Eu certamente já. É uma jornada cheia de incerteza, curiosidade e vislumbres ocasionais de autodescoberta. Ao contrário daqueles que têm um caminho claramente definido para a transição, a minha exploração é mais fluida e menos limitada por expectativas rígidas.

Sou apenas um homem explorando o vasto reino da feminilidade, tentando decifrar onde esse caminho pode me levar. Uma coisa é certa: não é uma jornada rumo à transição para uma mulher. Esse destino pode ser claro para alguns, mas para mim trata-se de abraçar a fluidez da expressão de gênero sem me conformar com as normas sociais.

quarta-feira, 6 de dezembro de 2023

Eu era um adolescente autoginéfilo e virei transgênero

Traduzido de Amanda Romano

Quando ser mulher é sobre "eu desejo", não sobre "eu sou"

Enquanto lutei contra a disforia de gênero ao longo da minha vida, o maior obstáculo que enfrentei para aceitar minha condição foi simplesmente não reconhecê-la pelo que eu era. Eu conhecia as pessoas trans desde muito jovem, mas não conseguia me identificar com elas porque a experiência delas não correspondia à minha. O que eu não percebi até recentemente é que estava ouvindo apenas um tipo de experiência.

Durante muitos anos, as poucas pessoas autorizadas a fazer a transição de gênero tinham de cumprir um conjunto rigoroso de critérios, o que significava que apenas um determinado tipo de pessoa poderia representar a população trans na percepção pública. Qualquer pessoa que vivesse de forma diferente permanecia invisível. Suas histórias não foram contadas e, portanto, não foram ouvidas por pessoas como eu.

Estamos vendo os efeitos persistentes disso ainda hoje. Documentários e artigos de revistas tendem a focar na narrativa transgênero que permanece mais acessível e não "ameaçadora" para as pessoas cisgênero. Ou seja, aquela que os protetores aprovaram pelas mesmas razões de ser acessível e não ameaçador. Os elementos comuns são: comportamento não conforme com o gênero desde muito jovem, forte identidade com o sexo oposto e desejo de transição completa, incluindo cirurgia de redesignação.

Em outras palavras, há uma sensação em nossa cultura de que quanto mais cedo você reconhecer a disforia de gênero, e quanto mais angústia ela lhe causar, mais válida será sua identidade trans aos olhos dos outros.

quarta-feira, 8 de novembro de 2023

Informações sobre terapia hormonal para transgêneros femininos

Traduzido de Transcare

Uma visão geral da terapia hormonal de feminização

Olá, sou a Dra. Maddie Deutsch, professora associada de Clínica Familiar e Medicina Comunitária da Universidade da Califórnia em São Francisco (UCSF) e diretora médica de Atendimento a Transgêneros da Universidade. Neste artigo revisarei vários aspectos da terapia hormonal de feminização, incluindo escolhas, riscos e incógnitas associadas à terapia hormonal.

Ao se preparar para iniciar o tratamento, agora é um ótimo momento para refletir sobre quais são os seus objetivos. Você quer começar imediatamente no grau máximo dos efeitos feminizantes clinicamente apropriados? Ou você quer começar com uma dose mais baixa e permitir que as coisas progridam mais lentamente? Talvez você esteja buscando efeitos brandos e gostaria de permanecer com uma dose baixa de medicamento por um longo prazo. Pensar em seus objetivos te ajudará a se comunicar de forma mais eficaz com seu médico enquanto vocês trabalham juntos para traçar seu plano de tratamento.

Muitas pessoas desejam que as mudanças hormonais ocorram rapidamente – o que é totalmente compreensível. É importante lembrar que a extensão e a velocidade com que as alterações ocorrem dependem de muitos fatores. Esses fatores incluem principalmente sua genética e a idade em que você for começar a tomar os hormônios.

Considere os efeitos da terapia hormonal como uma segunda puberdade, e a puberdade normalmente leva anos para que todos os efeitos sejam observados. Tomar doses mais elevadas de hormônios não provocará necessariamente mudanças mais rápidas, mas poderá pôr em risco a sua saúde. E como cada pessoa é diferente, seus medicamentos ou dosagens podem variar muito em comparação com outras pessoas, ou do vídeo que você viu no YouTube, ou leu em livros ou em fóruns online. Tenha cuidado ao ler sobre regimes hormonais que prometem efeitos específicos, rápidos ou drásticos. Embora seja possível fazer ajustes nos medicamentos e na dosagem para atingir certos objetivos específicos, em grande parte a forma como o seu corpo muda em resposta aos hormônios depende mais da sua genética e da idade em que você começa, do que da dose específica, via, frequência ou tipos de medicamentos que você está tomando.

Embora eu fale sobre a abordagem da terapia hormonal em mulheres transgênero, meus comentários também se aplicam e incluem pessoas não binárias que foram designadas como homens ao nascer e que consideram aderir à terapia hormonal.

Existem quatro áreas onde você pode esperar que mudanças ocorram à medida que sua terapia hormonal avança. Físico, emocional, sexual e reprodutivo.

quarta-feira, 25 de outubro de 2023

Transição para uma mulher heterossexual

Traduzido de Amanda Roman

Eu sempre gostei de meninas, então presumi que seria uma mulher lésbica após minha transição de gênero. Eu estava errada.

No ensino médio, quando eu era um garoto que não conseguia entender por que me sentia tão compelido a me vestir e agir secretamente como mulher, comecei a me questionar se eu era gay. Sempre me senti atraído por garotas e até tive uma namorada em determinado momento, mas nenhuma outra explicação realmente fazia sentido. Então um dia decidi fazer uma experiência. Olhei para o garoto mais próximo de mim, que por acaso era um colega de trabalho cujo nome eu esqueci, e tentei imaginar como seria beijá-lo.

O experimento terminou antes mesmo de começar. No momento em que meus lábios mentalmente tocaram os dele, senti uma onda imediata de repulsa. Eu involuntariamente me encolhi. Houve uma sensação de pânico e depois um recuou. Uau, pensei. Definitivamente não sou gay. Graças a Deus.

Olhando para trás, me pergunto se repulsa foi realmente o que senti. Pode ter sido medo. Pode ter sido a mesma sensação calorosa e formigante que sinto quando me imagino beijando caras agora, que meu eu católico adolescente não entendia e estava com muito medo de reconhecer. Realmente não me lembro de nada além da reação visceral que isso me causou. O que quer que eu tenha sentido naquele momento, não foi apenas desinteresse passivo; foi uma rejeição ativa.

quarta-feira, 4 de outubro de 2023

O que acontece se um homem tomar estrogênio por um ano?

Se um homem cisgênero tomasse estrogênio por um ano apenas por “experiência”, ele logo experimentaria a disforia de gênero. As mudanças provocadas pelo hormônio certamente afetariam o estado emocional dele. Se fosse uma mulher transgênero, ela meio que teria a experiência oposta já que o estrogênio iria afirmar feminilidade dela. Alguns descrevem essa sensação como euforia de gênero.

No caso dos crossdressers a situação é um pouco mais complicada já que nem todos querem abrir mão do lado masculino por completo. Sei que diversos crossdressers tem um pouco de curiosidade sobre os "efeitos mágicos" da terapia hormonal e conheci alguns que se aventuraram por conta própria com esses medicamentos para sentir um pouco do gostinho, mas saiba que os efeitos são mais complexos do que esperamos e alguns podem até ser permanentes. Claro que variam de pessoa para pessoa, mas esse artigo traz um panorama do quanto a hormonização pode mexer com o nosso corpo.

De maneira geral, assim que o medicamento começar a surtir efeito, a pele dele ficará mais macia. Os poros da pele ficarão mais fechados. O odor corporal irá diminuir, assim como a transpiração. O cabelo ficará mais sedoso, juntamente com os pelos corporais e faciais. Se a calvície estiver causando a queda dos cabelos, isso provavelmente irá parar. A gordura corporal começará a se redistribuir pelo corpo, saindo da barriga e indo para os quadris.

Depois de algumas semanas, a região dos seios ficará sensível e dolorida. Assim como uma moça na adolescência, o corpo dele passará a desenvolver lentamente o volume dos seios, que continuarão a crescer nos primeiros anos de tratamento. Os mamilos também crescerão e ficarão do tamanho de mamilos femininos.

quarta-feira, 27 de setembro de 2023

Torne trans normal novamente: a visão transgênero não-woke

Traduzido de Tara Ella 

Como uma pessoa transgênero não-woke, tenho apenas um desejo em relação às questões trans: que as pessoas trans sejam capazes de se integrar na sociedade de forma normal. Que possamos viver normalmente. E, infelizmente, acho que estamos cada vez mais longe desse objetivo. Sejamos realistas: as pessoas trans conseguiam viver de forma regular há 20 anos em comparação com hoje, o que me faz questionar se as coisas estão realmente melhores do que há 20 anos. Costumo apontar isso para progressistas bem-intencionados que gostam de dizer o quão longe avançamos na aceitação trans. Bem, de fato fomos longe, mas ao contrário. Obviamente, algo precisa mudar.

O que as pessoas precisam lembrar é que a maioria silenciosa das pessoas trans não quer se deparar com muito drama no seu cotidiano. Nem todo mundo deseja uma "visibilidade trans". Ainda me lembro que em 2014-2015 a comunidade trans dos Estados Unidos ficou perplexa com a nova e muitas vezes indesejada visibilidade, e muitos estavam (corretamente) preocupados que isso não terminasse bem para as pessoas trans. Acho que ainda hoje, a maioria silenciosa das pessoas trans preferiria que toda essa visibilidade trans desaparecesse da noite para o dia e que as coisas voltassem a ser como eram em 2013. Embora não possamos conseguir exatamente isso, tornar a experiência trans normal novamente é o mais próximo que podemos buscar.

quarta-feira, 20 de setembro de 2023

Atores que fizeram crossdressing em filmes

Traduzido de Roanyer

O crossdressing sempre foi um tema popular e recorrente nos filmes, sejam atores masculinos se vestindo como personagens femininos em filmes de comédia ou atrizes interpretando personagens masculinos em dramas. Às vezes, o crossdressing é apenas um subtrama do longa metragem, enquanto em outros casos a história inteira gira em torno dos personagens que se travestem.

Esses filmes não apenas divertem o público, mas também aumentam a conscientização sobre questões transgênero, diversidade de gênero e sexualidade. Inúmeras dessas atuações deixaram um impacto duradouro no público devido às suas excepcionais habilidades de atuação e à dedicação com que interpretaram personagens de gênero oposto aos seus.

Neste artigo celebraremos algumas dessas performances onde atores e atrizes se travestiram para desempenhar seus papéis na telona.

Atores que se travestiram em filmes

Cillian Murphy no filme “Café da Manhã em Plutão” (2005)

O ator extremamente talentoso Cillian Murphy se montou para interpretar o papel de uma garota travesti chamada Patricia "Kitten" Braden no longa-metragem. O filme é sobre a jornada de Kitten em Londres para encontrar sua mãe, durante a qual ela se junta a uma banda de rock, trabalha com um mágico, se torna prostituta e trabalha como dançarina. A atuação de Cillian foi tão convincente que fiquei chocado quando o vi pela primeira vez em cena. Ao longo do filme, ele permaneceu no personagem e parecia uma verdadeira garota transgênero e, meu Deus, Cillian parecia uma diva em trajes e maquiagem. 


Yoo Seung Ho em “Seondal” (2016)

Acredito que os homens coreanos estão redefinindo a masculinidade, abraçando a cultura do florista ou do homem feminino. É comum ver rostos barbados com maquiagem, cabelos tingidos e com roupas femininas na cultura pop coreana, com atores liderando a tendência. Yoo Seung, no filme Seondal, é um exemplo perfeito disso. Ele interpretou um vigarista que se disfarçou de mulher e fez isso tão bem que deixou as pessoas maravilhadas com sua beleza e glamour. Ele ficou incrível em traje feminino tradicional coreano, tornando difícil distinguir se ele era homem ou mulher. Acho que por causa da genética, o corpo dos homens coreanos é bem propício para o crossdressing, e se você gosta de crossdressing, este filme é imperdível para você!

quarta-feira, 13 de setembro de 2023

Crossdresser e suas curvas: como montar looks?

Traduzido de Enfemme Style

Assumir quem somos é uma das coisas mais intimidantes que jamais faremos em nossas vidas.

E sim, precisamos nos assumir para nós mesmos. Precisamos admitir e aceitar e, em última análise, abraçar que somos quem somos. Isto não é uma fase, não é um fetiche, não é algo que irá desaparecer com o tempo. Não cresceremos além de quem somos.

Depois de fazermos isso, tiramos um peso de nossos ombros que parece... bem, parece libertador. Mas isto provavelmente nos deixará com outro desafio: construir um guarda-roupa. Embora seja algo com que sonhamos durante toda a nossa vida – imaginar um guarda-roupa cheio de vestidos fofos, sapatos de salto alto, lingerie linda e... bem, eu poderia continuar... É difícil saber por onde começar. É o equivalente a ser uma criança em uma loja de doces.

À medida que começamos a construir nossos guarda-roupas, começamos a aprender o que gostamos, o que fica bem em nós, como um determinado vestido, estilo ou cor nos faz sentir e o que melhor se adapta ao nosso tipo de corpo. É um processo de aprendizagem! Quando comecei a preencher o meu armário, comprei pela primeira vez roupas que eu sempre quis usar. Foi maravilhoso. Foi libertador, fortalecedor e caro. Também foi humilhante. Eu comprava um vestido que sempre quis usar e depois ficava com o coração partido e desanimado quando ele simplesmente não parecia certo em mim. Poderia caber, mas simplesmente não parecia certo.

A maioria das roupas é desenhada de forma binária de gênero. Há uma grande diferença no tamanho e no corte das “roupas de menino” e das “roupas de menina”. Uma camisa social masculina tem um design diferente de uma camisa social feminina. Uma camiseta G para um homem não é a mesma coisa que uma camiseta G para uma mulher. Quando comecei a experimentar roupas e, finalmente, a comprar as minhas, aprendi que isso exigiria que eu conhecesse minhas medidas.

Felizmente, a maioria dos varejistas online tem uma tabela de tamanhos para gente seguir, o que me economiza muito tempo, dinheiro e dor de cabeça. Eu odeio comprar um vestido novo e ele não servir sem mim. Me sinto gorda, me sinto feia, me sinto frustrada. Dedicar alguns minutos extras para tirar minhas medidas e verificar a tabela de tamanhos é essencial nesse processo.

quarta-feira, 6 de setembro de 2023

25 belas transformação de homem para mulher

Traduzido de All About CD

As pessoas que aparecem nessas fotos mudaram completamente o visual usando maquiagem, modeladores corporais e, claro, suas habilidades para se transformarem em mulheres fabulosas. Essas produções podem realmente mudar a aparência de uma pessoa, especialmente aqueles que estão interessados na transformação de homem para mulher, como crossdressers, drag queens, gênero fluido e meninas trans.

Aqui estão algumas das melhores fotos de transformação de homens que usaram maquiagem, lindos looks femininos e acessórios, para transformarem seu visual e parecerem lindas mulheres. Devo dizer que fiquei muito entusiasmado!

Aqui estão 25 belas fotos de transformação de homem para mulher que vão deixar você bastante impressionado (e quem sabe inspirado).


quarta-feira, 30 de agosto de 2023

7 coisas que aprendi após a cirurgia de confirmação de gênero

Traduzido de Rejserin

Muitas pessoas perguntam como é a cirurgia de confirmação de gênero e qual é o impacto em sua vida depois de anos. Fiz minha cirurgia na Tailândia em 2008, em um ponto interessante da história mundial onde ser trans era ser uma parte mais ou menos aceita do mundo, mas também quando ser trans era um mistério para a grande maioria das pessoas. Aqui, quero compartilhar sete coisas que aprendi sobre mim e sobre o pós-operatório que vivi nos últimos quinze anos.


1) Minha recuperação foi estupidamente fácil

Comparado com muitas pessoas, acho que a minha recuperação pessoal foi mais fácil do que parece. Fui aconselhado antes da cirurgia a manter a minha rotina de exercícios, reduzir o consumo de álcool e perder peso. Além disso, disseram-me para comer tudo o que me dessem no hospital, independentemente de eu gostar ou não do sabor. Embora você não possa comer alimentos sólidos, as enfermeiras tailandesas me forneceram bastante sopa, o que ajudou a me manter hidratado e nutrido durante os quatro dias sem alimentos sólidos. Quando chegou a hora de deixar o hospital, saí sem qualquer ajuda e, quando voltei para casa, três semanas depois, consegui praticamente seguir com a vida normal.

Minha ressalva ao compartilhar isso é que nem todos têm o mesmo processo de recuperação e cada corpo é único. Meu maior conselho é entrar em forma o máximo possível antes da operação e se manter nutrido durante a internação. Essas coisas não são fáceis, mas, na minha opinião, ajudaram muito na minha recuperação.


2) Sexo e intimidade são intensos e lindos no meu corpo pós-operatório

É difícil descrever o efeito que o estrogênio teve em meu corpo quando se trata de tocar, ser tocada e sensibilidade geral. Fiz muito sexo antes da cirurgia, e uma das maiores diferenças foi que no pós-operatório me senti completamente à vontade com meu corpo, sem a preocupação de que meu parceiro me achasse estranha. Eu gosto do frisson que veio com esse meu corpo e, embora tenha demorado alguns meses para me acostumar, rapidamente se normalizou. Raramente faço sexo com penetração com homens, mas quando o faço parece certo, sem inibições ou desconexão neural. Sexo com corpos femininos está em outro nível e tem uma quintessência própria.

quarta-feira, 9 de agosto de 2023

Socorro, meu filho tem roupas femininas escondidas no armário!

Traduzido de Gin Kim

Este post é direcionado aos pais. Se você descobriu que seu filho está escondendo umas roupas femininas no quarto dele ou em algum canto da casa: em primeiro lugar, não entre em pânico.

Vamos falar sobre os possíveis motivos dele estar com este comportamento inesperado.


1. Ele deseja fazer transição de gênero para ser uma garota

Vou começar com o dito “pior caso” pelo padrão da nossa norma social. Seu filho pode estar tendo disforia de gênero. Ele pode ou não desejar transicionar fisicamente para ter uma vida feminina e um corpo feminino. Dependendo da idade que ele tem, ele pode nem saber se realmente sente esse desejo. Se for adolescente ou pré-adolescente, provavelmente ele ainda está se descobrindo. Não sou especialista nisso, então tenho poucos conselhos que eu possa dar. Minha opinião é essa: se você, como pai, deseja que seu filho seja feliz, será que realmente importa se ele eventualmente se torne ela? Não esqueça que ele sempre será seu filho.

quarta-feira, 2 de agosto de 2023

Sou uma mulher trans, mas atuo melhor como homem

F1nn5ter

Traduzido de Prism & Pen

Escrever isso me deixa triste, mas é verdade

Estou aproveitando o feriado e ainda tenho muito o que fazer. Há muito o que consertar na minha casa (construção e manutenção), que tem sido negligenciado por mim nas últimas semanas. Estou almejando uma promoção no trabalho, e acho que provavelmente eu vou conseguir. Seria um trampolim para um nível totalmente novo na minha carreira.

Converso com as pessoas ao telefone quando algo não está dando certo; Eu resolvo os problemas e a minha voz chama a atenção. Tenho certeza de que isso é assim porque sei como um homem dessa idade e posição na vida deve falar e se comportar. Eu sei como conseguir algo que eu quero. Eu sei que tenho que me esforçar. Não é algo que vem naturalmente. Mas eu dominei esse papel tão bem que estou comprando-o novamente nos últimos dias. E estou pensando se não seria mais sensato continuar sendo “aquele homem” afinal.

O pensamento é basicamente insano, no fundo eu sei disso, mas agora, enquanto escrevo estas linhas, mais uma vez não quero admitir.

Simplesmente funciona melhor assim para mim. Carrego coisas que só posso carregar por causa da minha força muscular. Eu falo como um homem, me movo como um e quando eu arrumo as minhas costas e fico completamente ereto, não tenho apenas 1,90m de altura, mas sou uma pessoa a quem as outras pessoas automaticamente respeitam.

Nos últimos dias eu estive meditando sem parar.

quarta-feira, 19 de julho de 2023

Infância transgênero: brincando de boneca

Traduzido de Meghan Cherry

Existem muitos estereótipos e narrativas sobre mulheres trans jovens e enrustidas. Alguns são pura transfobia descarada, besteira intolerante gerada por escritores que resumem a experiência trans para feminizar homens de calcinha. Alguns vêm de dentro – são anedotas compartilhadas entre mulheres trans contando histórias de vida isoladas, mas semelhantes. Mas alguns poucos desses estereótipos pairam no meio termo. Os raros pedaços de verdade em como a cultura mainstream assume que as mulheres trans se encontram, e como nós realmente nos encontramos.

Para mim, esse estereótipo preciso era usar um avatar feminino em videogames. Mesmo antes de saber o que a palavra "transgênero" significava, eu sabia que havia algum tabu em escolher intencionalmente jogar um jogo eletrônico com um personagem de gênero diferente do meu. (Isso me atingiu pela primeira vez em uma idade jovem jogando Pokémon, quando acidentalmente usei o símbolo feminino (♀) em vez do símbolo masculino (♂) no meu personagem. Meghan da segunda série nunca ouviu o fim.)

Professor Carvalho, não preciso dessa merda agora.

Isso foi ainda mais complicado com a ascensão de Tomb Raider, uma série cujo protagonista principal foi vendido como heroína de ação e símbolo sexual. Eu nem tinha um PlayStation na época, mas sabia muito bem quem era Laura Croft. A mensagem sempre foi clara – se você é um homem jogando com um personagem feminino, ou você é gay ou é pervertido.

quarta-feira, 5 de julho de 2023

A linha tênue entre o crossdresser e o transgênero

Véspera de Ano Novo de 2001, tirada por uma simpática amiga da minha cidade que já faleceu há muito tempo. Obrigado por tudo que você fez por mim, Eva. Que sua alma atormentada descanse em paz.

Traduzido de Michelle Diane Rose

Esse artigo surgiu de uma pergunta do Quora – desta vez parece ser de alguém sincero, até sinceramente curioso. Eu respeito a verdadeira curiosidade. Têm tão pouco disso ultimamente!

Vamos discutir essas nuances, tudo bem?

Hmm, talvez possamos questionar se a condição de transgênero encoraja o crossdressing como um meio de “testar as águas” da transição.

Esse foi justamente o caso para mim. Eu me montava muito raramente quando era adolescente e não tentei novamente até a idade adulta – e mesmo assim, foi muito raramente, a menos que você conte as muitas vezes que subi no palco em uma banda de rock usando maquiagem, salto plataforma, e muitas roupas de cetim e veludo.

Nesse ínterim, antes de tudo isso, eu estava profundamente envolvido com teatro e artes performáticas. Cheguei à idade adulta em meados dos anos 70 e comecei a usar essas técnicas como uma forma de entretenimento – e ninguém se importava se o excêntrico baixista de longos cabelos loiros usava delineador, brincos e vestia tanto cetim preto e renda quanto a Steve Nicks.

Orycon nº 30 (Convenção anual de ficção científica/fantasia de Portland no Oregon), 2008, logo depois que eu saí do armário. Eu fui a muitas convenções de ficção científica naquela época. Foi uma maneira maravilhosa de me misturar com todas as outras pessoas extravagantemente estranhas  e decididamente cisgênero, heteronormativas  que passam grande parte do tempo fantasiando sobre mundos estranhos e personagens notáveis, inclusive super-humanos. O quociente de colírio para os olhos no sábado à noite, especialmente durante o concurso de fantasias, é impressionante.

quarta-feira, 28 de junho de 2023

A realidade de ser mulher em um mundo transfóbico

Do filme A Garota Dinamarquesa (2015)

Traduzido de Chichi A

Existe algo que todas as pessoas que se identificam com mulheres têm em comum: a experiência de ser mulher socialmente. A diferença é que as mulheres cisgênero vivenciam essa bagagem muito antes das mulheres transgênero. Em um mundo hoje inundado de transfobia, meu coração sangra. Algumas ideologias feministas que poderiam proteger todas mulheres agora estão atuando de maneira excludente. Mas como é a vida sendo transgênero em um mundo machista? Vamos discutir sobre isso.

Quando crianças, nossos corações eram muito inocentes. Adorávamos os brinquedos e a atenção que nossos pais nos davam. Mas até as crianças reconhecem o gênero. Esse reconhecimento começa quando eles observam seus pais. O papai é mais masculino e a mamãe tem um fenótipo feminino mais suave. Normalmente, os pais também começam inculcando os papéis de gênero nas crianças por meio de palavras de afirmação como: “Você é a garotinha do papai” ou “Esse é o garotão do papai”. De fato as crianças são tratadas de forma diferente com base em seu sexo biológico. Se você reparar no mercado de brinquedos normalmente vai notar bonecas hiper-femininas e conjuntos de utensílios domésticos de brinquedo no setor rosa de meninas e bonecos de heróis hiper-masculinos e brinquedos de ciência e tecnologia no setor azul de meninos. A maioria das crianças se encaixa nesses papéis e comportamentos de gênero, no entanto outras não. Para aquelas crianças que não se encaixam nesse papel, a sociedade tende a excluí-las desde muito cedo. Inclusive isso está nas palavras que professores e colegas usam para descrevê-los. Se eles têm pais religiosos, eles enfrentam até mesmo ódio por suas identidades dentro de casa. As crianças transgênero ouvem palavras como: “Você é um menino, pare de agir como uma menina” ou “Você é uma menina, vá brincar com a sua boneca”.

quarta-feira, 10 de maio de 2023

Uma Mulher Transgênero na Idade Média

A história de um poema medieval sobre como se tornar seu verdadeiro gênero.

Representação de mulheres na Hagadá de Sarajevo,
manuscrito em pergaminho do século XIV, Espanha.

Traduzido de Crossdreamers

Muitos de vocês devem ter se deparado com o seguinte argumento no debate sobre a vivência transgênero: como o crossdressing e as identidades transgênero são construções sociais, é provável que isso seja fruto da sociedade capitalista moderna, do patriarcado ou de algo igualmente sinistro – uma linha de argumento que provavelmente levará a uma discussão limitada sobre sexualização e fetiches.

Essa impressão é reforçada pelo fato de historiadores e estudiosos da arte terem a tendência de ignorar – ou censurar abertamente – as vozes de pessoas com variantes de gênero de outras culturas e épocas.

Como comentei em meu artigo sobre o Kama Sutra, até recentemente todas as traduções para o inglês desse trabalho pulavam a parte sobre mulheres heterossexuais dominando homens heterossexuais, provavelmente porque era considerado algum tipo de ameaça à ordem mundial ou algo aparentemente impossível de entender.

Portanto, é necessário muito estudo e trabalho neste campo. Estou confiante de que, se procurarmos, encontraremos crossdressers e transgêneros em todas as culturas e em todas as épocas. Suas vidas serão expressas de maneiras diferentes de acordo com a linguagem local e a estrutura cultural (como são hoje), mas terão algo em comum: um desejo ou uma necessidade de expressar ou ser reconhecido como seu verdadeiro gênero ou como uma mistura dos dois.