quarta-feira, 28 de fevereiro de 2024

Crossdressers e super-heróis

Tranduzido de Gin-Kim

O que os crossdressers têm em comum com os super-heróis? Provavelmente nada que você esteja pensando, mas há uma questão que certamente existe em ambos: a identidade secreta. Os super-heróis geralmente mantêm sua identidade em segredo. A maioria dos seus amigos e familiares não saberiam que eles são justiceiros durante à noite ou até mesmo aquele herói mascarado que é celebrado pela população de sua cidade. Veja o Homem-Aranha, por exemplo, ele teve que se esforçar muito para manter sua identidade em segredo, mesmo que às vezes ele acabasse entrando em situações difíceis com sua família.

Isso não é muito diferente com os crossdressers. Embora eu não tenha as estatísticas oficiais, tenho quase certeza de que o número de crossdressers que estão no armário é cerca de 90% de toda a população de crossdressers. Ao ser exposto às pessoas que você conhece ou ama, você está se expondo ao alto escrutínio delas. Por que ele se traveste? Ele é um pervertido? Mesmo profissionalmente, você receberá um grande dedução no trabalho por aqueles que não têm a mente tão aberta. Por que correr esse risco? Estas são provavelmente algumas das razões pelas quais os crossdressers preferem ficar incógnitos.

terça-feira, 27 de fevereiro de 2024

Apoie o blog e ganhe acesso exclusivo às minhas fotos

O blog O Homem Feminino está ativo e operante desde 2015 com diversas informações, histórias, dicas e fotos sobre esse universo feminino que tanto admiramos e sou muito grato por poder estar a frente deste projeto que já ajudou inúmeras pessoas. Me dedico nas horas minhas livres e mantenho esse espaço afastado de propagandas que possam atrapalhar a sua busca por informações objetivas, mas muitas vezes não consigo separar tempo suficiente para me dedicar a escrever e fotografar por estar trabalhando pesado.

Sendo assim, decidi abrir uma página no Patreon para captar apoio para manter o blog ativo e em troca vou liberar acesso à diversas fotos dos ensaios que realizei nos últimos anos.

Clique aqui para apoiar o blog e ganhe acesso exclusivo aos meus ensaios

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2024

Minha Lojinha de Roupas

Visite a minha lojinha

Olá meninas! Vocês já devem ter notado que eu adoro o mundo da moda e sempre estou atualizando o meu armário. No entanto, o meu espaço é finito e está começando a ficar apertado. Então decidi abrir uma lojinha no site Enjoei pra vender algumas roupas de homem feminino que estão sobrando por aqui. Tenho sapatos no número 42 e roupas com cortes que servem bem em corpos masculinos. Clique aqui e confira as peças que já estão online.

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2024

Como é ser transgênero?

Traduzido de Amber Poe

Quando você é uma pessoa transgênero e finalmente se sente confortável o suficiente para dizer ao mundo inteiro que você é transgênero, você passa a receber muitas perguntas. Abaixo está uma lista das minhas favoritas de todos os tempos:

- Como você descobriu que é transgênero?

- Você tem certeza que é transgênero... você nunca brincou com Barbies ou foi um homem afeminado, de onde vem isso?

- Você está planejando cortar a sua rola?

- Espera, você gosta de homens? Agora você é gay ou está em transição para ser heterossexual?

- Há quanto tempo você sabe que é transgênero?

E finalmente...
- Como é ser transgênero?

Então, “Como é ser transgênero?” Bem, ao contrário do que quero dizer da maioria das outras pessoas trans por aí, eu não sabia que era transgênero desde cedo. Eu não brincava com Barbies, nem tinha vontade de usar vestidos, nem de me maquiar, nem de entrar no armário da minha mãe para experimentar as roupas dela. Tive uma infância feliz e saudável quando menino. Então, admito que sou um novato na compreensão do que significa ser transgênero, mas acho que encontrei a maneira perfeita de descrever como é.

Acredito que esse cenário irá repercutir na maioria de vocês. Quantos de vocês tiveram um emprego logo após a faculdade? Seu primeiro emprego de tempo integral, espero que seja assalariado, com benefícios, cultura de escritório, tudo isso (o que eu sei que é raro hoje em dia, mas vamos lá). Pode não ser o que você queria fazer, não é o emprego dos seus sonhos, mas ei, é um começo, não é como se você fosse ficar aqui para sempre, certo... certo???

quarta-feira, 31 de janeiro de 2024

Minha jornada no crossdressing: encontrando o meu estilo

 

Traduzido de Destarte

Dizem que moda é o que você encontra nas vitrines enquanto estilo é como você veste essas roupas.

Eu sempre tive senso de estilo. Costumo combinar bem as minhas roupas (masculinas) e as cores. Não sou um desses caras que usa listras com xadrez. Gosto que minhas roupas fiquem bem e sirvam bem em mim.

Aprendi que vestir roupas femininas leva o estilo a um nível completamente diferente. É fazer álgebra em comparação com matemática básica.

Quando comecei a me montar, não tinha ideia de todos os diferentes estilos de vestidos e saias que existiam. Eu apenas pensava que eram apenas vestidos e saias. Agora eu sei que podem ser tipo lápis, em A, bata, etc, etc. Então, na minha jornada, também tem sido uma educação. Também me tornou uma grande admiradora de mulheres que sabem montar looks lindos.

Quando comecei a me vestir, gravitei em torno dos vestidos. Eu realmente gosto de sua aparência e de serem tão exclusivamente femininos. O problema é encontrar um estilo que fique bem no meu corpo masculino. Posso encontrar vestidos que gosto muito mas, quando os experimento, não lhes faço justiça. Então, por enquanto, costumo usar saias com muito mais frequência.

Questão paralela, aqui vai uma pergunta para você: Existe limite de idade para vestidos curtos? Ou é uma preferência estritamente pessoal? Quando estou navegando online, vejo muitos vestidos que gosto muito, mas, muitas vezes, são bem curtinhos. Então, quero saber se há verdade na filosofia de comprimento do vestido “apropriado à idade”? Mais de uma pessoa me disse que tenho pernas para usar saias e vestidos mais curtos, então esse não é o problema. E para ser sincero, na segunda-feira, quando usei minha saia plissada, usei-a como uma minissaia, onde ficava uns bons cinco centímetros acima do joelho, e acho que fiquei bem com ela.

quarta-feira, 17 de janeiro de 2024

O que acontece quando os papéis de gênero são forçados às crianças?

Traduzido de Emanuella Grinberg (CNN)

A maioria das aulas de educação sexual começa no ensino médio, mas um novo estudo (2017) sugere que, independentemente do local onde as crianças vivam, o verdadeiro debate sobre relacionamentos, identidade e sexualidade deve começar ainda mais cedo para minimizar os impactos negativos dos papéis de gênero.

Você provavelmente já ouviu isso antes: mais do que a biologia, a família, os amigos e a sociedade influenciam as impressões sobre o que significa ser menino ou menina, colocando rígidas expectativas de gênero nas crianças desde o berço. Nos últimos anos, um crescente grupo de pesquisa tem-se centrado nos desequilíbrios na saúde que surgem da aplicação de normas de gênero nas crianças.

O estudo, publicado no Journal of Adolescent Health (Jornal de Saúde do Adolescente), contribui com uma perspectiva global para esta questão. A principal conclusão: quer a criança esteja em Baltimore, Pequim ou Nova Deli, o início da adolescência desencadeia um conjunto comum de expectativas de gênero rigidamente aplicadas, associadas a riscos crescentes de problemas de saúde física e mental ao longo da vida.

Pesquisadores da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg e da Organização Mundial de Saúde colaboraram num estudo global sobre pré-adolescentes para identificar temas universais no desenvolvimento da identidade de gênero em todos os países e níveis de rendimento.

“Os riscos para a saúde dos adolescentes são moldados por comportamentos enraizados nos papéis de gênero que podem estar bem estabelecidos nas crianças de 10 ou 11 anos de idade”, disse Kristin Mmari, professora associada da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg e principal pesquisadora da análise qualitativa do estudo global sobre pré-adolescentes . “No entanto, vemos bilhões de dólares sendo investidos em todo o mundo em programas de saúde para adolescentes que só entram em vigor aos 15 anos e, nessa altura, provavelmente será tarde demais para fazer uma grande diferença.”

quarta-feira, 3 de janeiro de 2024

Tudo o que você precisa saber sobre Femboys

Traduzido de God of Porn

Homens que viveram no crepúsculo do gênero

Femboys, também chamados de crossdressers (ou homens femininos) ou indivíduos que não se conformam com o gênero, são homens e garotos que desafiam as expectativas da sociedade ao admitir seu lado feminino por meio da moda, aparência e comportamento. O termo “femboy” é uma combinação de “feminino” e “menino” e abrange uma forma específica de expressão de gênero.

A cultura Femboy tem uma história rica, que remonta a civilizações antigas onde o travestismo era uma forma generalizada de expressão artística. Nos últimos anos, a ascensão da tecnologia e da Internet trouxe mais atenção à comunidade femboy, permitindo-lhes se conectar, partilhar experiências e destacar a sua visão única da feminilidade.

O objetivo deste artigo é fornecer uma compreensão mais abrangente da experiência femboy. Ao mergulhar em experiências em primeira mão, moda e estilo, e nos obstáculos enfrentados na sociedade, pretendemos obter uma compreensão mais aprofundada deste mundo diverso e colorido. Nosso objetivo é desafiar estereótipos, defender a aceitação e celebrar a expressão única da feminilidade na masculinidade.

quarta-feira, 20 de dezembro de 2023

Apenas um homem aceitando a beleza da ambiguidade de gênero


Traduzido de Kathi Rei

Você já se pegou pensando nas reviravoltas da sua própria feminilidade?

Eu certamente já. É uma jornada cheia de incerteza, curiosidade e vislumbres ocasionais de autodescoberta. Ao contrário daqueles que têm um caminho claramente definido para a transição, a minha exploração é mais fluida e menos limitada por expectativas rígidas.

Sou apenas um homem explorando o vasto reino da feminilidade, tentando decifrar onde esse caminho pode me levar. Uma coisa é certa: não é uma jornada rumo à transição para uma mulher. Esse destino pode ser claro para alguns, mas para mim trata-se de abraçar a fluidez da expressão de gênero sem me conformar com as normas sociais.

quarta-feira, 6 de dezembro de 2023

Eu era um adolescente autoginéfilo e virei transgênero

Traduzido de Amanda Romano

Quando ser mulher é sobre "eu desejo", não sobre "eu sou"

Enquanto lutei contra a disforia de gênero ao longo da minha vida, o maior obstáculo que enfrentei para aceitar minha condição foi simplesmente não reconhecê-la pelo que eu era. Eu conhecia as pessoas trans desde muito jovem, mas não conseguia me identificar com elas porque a experiência delas não correspondia à minha. O que eu não percebi até recentemente é que estava ouvindo apenas um tipo de experiência.

Durante muitos anos, as poucas pessoas autorizadas a fazer a transição de gênero tinham de cumprir um conjunto rigoroso de critérios, o que significava que apenas um determinado tipo de pessoa poderia representar a população trans na percepção pública. Qualquer pessoa que vivesse de forma diferente permanecia invisível. Suas histórias não foram contadas e, portanto, não foram ouvidas por pessoas como eu.

Estamos vendo os efeitos persistentes disso ainda hoje. Documentários e artigos de revistas tendem a focar na narrativa transgênero que permanece mais acessível e não "ameaçadora" para as pessoas cisgênero. Ou seja, aquela que os protetores aprovaram pelas mesmas razões de ser acessível e não ameaçador. Os elementos comuns são: comportamento não conforme com o gênero desde muito jovem, forte identidade com o sexo oposto e desejo de transição completa, incluindo cirurgia de redesignação.

Em outras palavras, há uma sensação em nossa cultura de que quanto mais cedo você reconhecer a disforia de gênero, e quanto mais angústia ela lhe causar, mais válida será sua identidade trans aos olhos dos outros.

quarta-feira, 22 de novembro de 2023

Comunicação Feminina: Construa conexão e empatia

Traduzido de Kathi King

A comunicação desempenha um papel significativo no nosso dia a dia. Não se trata apenas do que dizemos, mas também de como dizemos e de como respondemos uns aos outros. A comunicação feminina possui atributos únicos que a tornam particularmente eficaz no estabelecimento e manutenção de relacionamentos.

Como homens femininos, podemos moldar a nossa comunicação de várias maneiras para criar conexões mais profundas e expressar empatia. Aqui estão alguns aspectos da comunicação feminina:

1. Sorrir: As mulheres muitas vezes sorriem prontamente. Isso ajuda a criar uma atmosfera amigável e convidativa na qual outras pessoas se sintam confortáveis para se expressarem. Imagine que você encontra uma nova colega na cozinha do escritório. Em vez de simplesmente passar reto, você a cumprimenta com um sorriso e pergunta como foi o dia dela. Esse sorriso abre a porta para uma conversa amigável onde vocês podem discutir sobre trabalho e interesses em comum.

2. Expressar Emoções: As mulheres são muitas vezes mais abertas na expressão das suas emoções e usam uma linguagem expressiva para transmitir os seus sentimentos. Isso permite que os outros se sintam compreendidos e aceitos.

Sua melhor amiga acabou de passar por uma separação difícil. Em vez de ser indiferente, você a abraça e diz: “Sinto muito que você esteja passando por isso. Só posso imaginar o quão doloroso deve ser.” Você transmite empatia e apoio, em vez de simplesmente ignorar os sentimentos dela.