quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Ensaio celebrando a primavera com estilo - Samantha Oliver

A primavera finalmente chegou e estou passando para compartilhar meu último ensaio!! Esse calor que vem chegando com a mudança de estação parece que meche com a gente por dentro, sei lá, tenho a impressão que dá um certo fogo no rabo (ehauehauheuaheu).

Eu queria ter pego uma chácara para tirar fotos, mas acabei aproveitando o último domingo em um quarto temático aqui da cidade (sim, de motel) com muita hidromassagem e trabalhando nesse editorial que eu tanto amo, então espero que você apreciem o resultado!! ♥


quarta-feira, 11 de setembro de 2019

História de uma Crossdresser - Juliette Noir

Traduzido de Juliette Noir por Antonela Ross

Muitas de nós quando nos deparamos com essa vontade de adentrar no universo feminino ficamos abismadas pensando que essa loucura só acontece com a gente. No entanto, a medida que vamos conhecendo outras pessoas e outras histórias percebemos que não estamos sozinhas. Nem um pouco para falar a verdade. Tanto que eu já ouvi histórias semelhantes de inúmeras pessoas dos quatro cantos do mundo e ainda fico abismada com o quanto somos parecidas.

O texto a seguir é da Juliette Noir, uma crossdresser britânica, que foi traduzido por uma amiga minha (Antonela Ross) e que descreve muito bem algumas nuances do universo de um crossdresser (aliás, me enxerguei em vários trechos). Vale a pena a leitura assim como vale dar uma conferida no blog dela. Espero que vocês gostem!!


Minha História Noir
Minha História Noir, um voo sombrio para o mundo perigoso de uma mulher que não existe. Juliette Noir, uma jovem solitária em uma cruzada para defender a causa dos inocentes, dos indefesos, dos impotentes, em um mundo de criminosos que operam acima da lei.

Meu nome é Juliette Noir, ou melhor, não é, mas é assim que vocês podem me chamar. Eu sou um cara bastante típico a maior parte do tempo, eu tenho uma família, um bom trabalho, eu gosto de filmes, eu corro e pedalo para manter a forma e tenho alguns hobbies interessantes.

Como muitos homens que investiram muito em suas atividades, optei por dedicar todo esse site a um desses hobbies. No entanto, é importante para mim que você perceba que o que você está vendo sou eu, apenas uma aparência externa minha, que representa tão somente cerca de 5% da minha atividade diária.

Então, vamos falar sobre começos, desafios, triunfos e fracassos.

Infância
Eu realmente não poderia dizer quando soube que sou um/a crossdresser, eu tenho estado nisso de uma forma ou de outra por mais de 30 anos e de muitas maneiras eu ainda estou encontrando meus pés e minha voz.

O que eu sei é que eu nunca me entrosei com muitos de meus colegas e tenho tendência a me manter fora da maioria dos grupos.

As primeiras memórias giram em torno de um fascínio por vestidos, saias, roupas íntimas femininas etc. No entanto, eu realmente não tinha consciência do que estava fazendo ou sentindo. Eu senti o que agora sei que é um sentimento típico de vergonha e confusão sobre essas inclinações e como muitas pessoas na minha situação, eu escondi profundamente isso da melhor maneira que pude.

Às vezes, no entanto, adotamos medidas que afetam mais permanentemente nossas vidas. O crescimento de pelos no corpo de adolescente não foi um alívio para mim, mas um aborrecimento. Aos 16 anos, depilei minhas pernas pela primeira vez e depois passei muitas semanas tentando evitar a ginástica e qualquer coisa que pudesse revelá-lo.

quarta-feira, 4 de setembro de 2019

HQ - Inversão de Papéis (04)

História em quadrinhos traduzida de Role Reversal
Outros sites do artista:   Patreon  /  DeviantArt

Primeiro capítulo
<< Capítulo anterior

quarta-feira, 21 de agosto de 2019

HQ - Patrulha da Orientação, conflitos entre orientação sexual e identidade de gênero

A homossexualidade começou a deixar de ser considerada um transtorno mental em 1973 quando a Associação Americana de Psiquiatria decidiu retirá-la do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM). Apesar disso ela só saiu da CID (Classificação Internacional de Doenças da Organização Mundial de Saúde - OMS) em 1993.

Esse fato aconteceu próximo da Revolução Sexual, fenômeno que ocorreu em todo o mundo ocidental dos anos 1960 até os anos 1970 e que trouxe a tona temas como a contracepção e a pílula, nudez em público, a normalização de formas alternativas de sexualidade e a legalização do aborto.

Desse período em diante se começou a falar mais publicamente sobre opção sexual. Friso no "opção" pois acreditavam que as pessoas optavam por gostar de um determinado gênero ou outro. Alias, também limitavam os gêneros apenas à masculino e feminino. No entanto o termo caiu em desuso quando estudos mostraram que a tendência sexual de uma pessoa começa a se expressar naturalmente ainda na infância, deste modo o termo se atualizou para orientação sexual.

A transgeneridade, por sua vez, só foi retirada do capítulo de Doenças Mentais da CID em junho de 2018. Foram anos de reivindicação para que a transexualidade saísse do capítulo das doenças mentais e entrasse no de comportamentos sexuais. Com esta mudança, a OMS mantém a transexualidade dentro da classificação para que as pessoas possam obter ajuda médica se assim desejar. Lembrando que em muitos países o sistema de saúde público ou privado não reembolsa o tratamento hormonal ou acompanhamento psicológico se o diagnóstico não estiver nessa lista.

Quando eu comentei que achava que o conceito de orientação sexual estava ultrapassado no post "Homem que curte crossdresser é gay?" (novembro de 2017) eu tinha pouca base para questionar. No entanto, hoje, quando eu vi essa HQ, me dei conta que realmente não faz mais sentido falar em hétero, homo e bi por que as pessoas se apaixonam por outras pessoas (ou não) e ambas tem a liberdade de ser muito mais do que apenas H ou M.

Confiram essa história em quadrinhos do Bill Roundy, um cartunista americano que mostra um pouco do que é ser um homem homossexual e se apaixonar por homens trans! ♥

quarta-feira, 14 de agosto de 2019

HQ - Boneca da Raan (42)

História em quadrinhos traduzida de KannelArt
Outros sites do artista:   Patreon  /  DeviantArt  /  Picarto TV

Primeiro capítulo
<< Capítulo anterior

quarta-feira, 17 de julho de 2019

HQ - Inversão de Papéis (03)

História em quadrinhos traduzida de Role Reversal
Outros sites do artista:   Patreon  /  DeviantArt

Primeiro capítulo
<< Capítulo anterior
>> Próximo Capítulo

quarta-feira, 10 de julho de 2019

Como andar de salto alto com elegância

Sapato de salto alto é uma das minhas paixões dentro do universo feminino e tenho certeza que também é para grande parte dos crossdressers! Não é à toa, o simples acessório consegue deixar o usuário mais elegante e sensual, mas é preciso manter a postura para passar essa imagem, caso contrário ela será de uma pessoa estabanada tentando se equilibrar de pé.

Já vimos aqui que durante a história o sapato de salto passou tanto por pés de homens quanto de mulheres, nesse post quero apresentar algumas dicas para você arrasar enquanto desfila com elegância!

Treine andar na ponta dos pés
A primeira dica para andar de salto é justamente não andar de salto. Treine, em casa mesmo, andar descalço na ponta dos pés, isso ajudará a fortalecer as pontas (onde o peso maior fica apoiado) e a melhorar seu equilíbrio. Quanto mais você treinar, melhor será o seu desempenho. Eu sempre tive o costume de andar descalço em casa e andar na ponta dos pés era necessário durante as noites para evitar barulho, então tive diversas horas de prática caminhando na ponta dos pés.