quarta-feira, 22 de maio de 2019

HQ - Inversão de Papéis (01)

História em quadrinhos traduzida de Role Reversal
Outros sites do artista:   Patreon  /  DeviantArt

quarta-feira, 15 de maio de 2019

Transgênero, crossdresser, travesti, drag queen, qual é a diferença?

Cada pessoa é um ser único, mas que tem características comuns a toda a humanidade. Nos identificamos com alguns e nos diferenciamos de outros por construções sociais, por exemplo: a região em que nascemos ou que crescemos, classe social, se temos ou não uma religião, idade, nossas habilidades físicas, entre outras que marcam a diversidade humana.

De fato existe uma similaridade entre as pessoas que utilizam esses termos do título do post, mas para tentar compreender as peculiaridades de cada caso eu vou utilizar o gráfico de Identidade de gênero, Expressão de gênero, Sexo biológico e Orientação sexual que eu apresentei no post Identidade de gênero e Orientação sexual - O que é você?.
Para lembrar, segue um resuminho:
- Identidade de gênero: o modo como o indivíduo se sente/se identifica;
- Expressão de gênero: o modo como a pessoa se expressa/se apresenta;
- Sexo biológico: a nossa marca genética, o XX ou XY do DNA (ou outros);
- Orientação sexual: por quem a pessoa sente atração afetiva/sexual.

Segue alguns exemplos, vale salientar que nada disso é regra. Aliás, vou focar principalmente em pessoas que nasceram com o sexo biológico XY porque é o meu caso e tenho mais proximidade, mas vale o mesmo para o sexo biológico XX.

Homem Cisgênero
Identidade de gênero: masculina
Expressão de gênero: masculina
Sexo biológico: XY - macho
Orientação sexual: Indiferente
Pessoas cisgênero são a maioria na nossa sociedade, são as que tem alinhado a identidade de gênero e expressão de gênero com o seu sexo biológico.

A orientação sexual é indiferente. Pode ser que um homem cis homossexual tenha uma expressão de gênero puxada para o feminino, mas pode ser que a sua expressão seja super masculinizada. Também pode ter um homem cis heterossexual que tenha uma expressão um pouco feminina, então nada é regra.

quarta-feira, 8 de maio de 2019

HQ - Romance Transgênero

Recentemente eu vi esses quadrinhos nas redes sociais e me apaixonei pelos desenhos ♥

Eu senti empatia por várias passagens e até sonho com um final parecido (por que não, né?). Tentei encontrar o autor de todo jeito, mas não tem nem uma assinatura nos desenhos então ficou complicado, se alguém souber favor avisar para ficar registrado aqui os devidos créditos!

terça-feira, 30 de abril de 2019

Impressões de um crossdresser em balada hétero

Desde que comecei a sair do armário (ou desde que comecei a tirar as minhas roupas de dentro do armário, ainda não sei o certo) eu só fui em balada LGBT. Salvo um ou outro barzinho de Rock n Roll em que fui de homem, todos os meus rolês foram em espaços alternativos. Aproveito para fazer uma menção à minha primeira balada montada em 2016 que fiz esse post relatando a experiência e a festa de Halloween do mesmo ano que saí com a minha irmã.
Ariel, Samantha e Izabelly
Nesses passeios eu pude entender um pouco as minhas amigas mulheres que sempre falaram: "eu saio apenas para dançar". De fato usar uma roupa que te agrada, ir para um ambiente focado em música com gente descolada e deixar o corpo entrar em sintonia com a frequência da batida é uma experiência incrível! Tanto que eu nem lembro a última vez que fui numa balada de homem (ficou sem graça).

No entanto, na minha última viagem à São Paulo eu tive uma experiência um pouco diferente. Ao invés de ir em uma balada LGBT eu fui, acompanhada das amigas Izabelly Saints e Ariel Villela, em uma balada hétero chamada LimeLight. O espaço é incrível, conta com a iluminação mais sensacional que eu pude presenciar e a qualidade de som fantástica, porém é dedicado a um publico que já passou dos 40 anos e, no geral, é heterossexual. Eu também sou hétero, mas estava um pouco deslocada, né? Vou descrever nesse post como foi a experiência!

quarta-feira, 24 de abril de 2019

Ensaio urbano em São Paulo e uns passeios aleatórios

Vim trazer para vocês mais um ensaio meu explorando as nuances e as oportunidades do crossdressing (me sentindo a blogueirinha fashion)! Recentemente eu estava viajando por São Paulo e aproveitei para passear e curtir um pouco de Samy. Por acaso foi a minha primeira viagem sozinha, mas não deixei de registrar uns momentos e uns looks nesse cenário urbano.

A maioria das fotos eu fiz sozinha, então foi meio complicado cuidar da produção, maquiagem, local e fotografia por conta própria, porém o resultado até que me agradou, espero que agrade a vocês também!


Fazia tempos que eu babava nessa legging da Sorte Store e encontrei uma delas no Stúdio Metrópole, onde eu aproveitei para fazer uma aulinha de pole dance sem precisar parar meus treinos.
Montei então esse look balada com um um body da C&A e meu saltão branco!

quarta-feira, 20 de março de 2019

Drag Queens, as rainhas do crossdressing

Hoje em dia quando se fala em Drag Queen logo vem à nossa mente uma imagem fantasiosa de glamour e brilho. Tal percepção é provável que tenha relação direta com o reality show RuPaul's Drag Race que foi ao ar em 2009 e transformou a cultura underground em algo pop, mas essa arte é muito mais antiga e teve seus altos e baixos ao longo dos últimos séculos.
Cheguei a escrever um pouquinho sobre as Drags no post Crossdressing / Crossdresser / CDzinha pois essa arte de transformação nada mais é do que uma vertente do crossdressing que está intimamente ligada às artes performáticas. Nesse post vou me aprofundar na história dessas rainhas.

O início de tudo pode-se dizer que foi o teatro grego. O próprio teatro nasceu na Grécia Antiga (século VI a.C.) e, na época, somente homens podiam interpretar, então os personagens femininos eram vividos por atores homens com máscaras femininas, vale lembrar que as roupas ainda não distinguiam os gêneros direito. A situação se manteve assim por mais de 2 milênios, tanto que as peças de Shakespeare (século XVII d.C.) ainda eram interpretadas exclusivamente por homens.
Pintura: Hamlet recebendo os atores (1875) por Władysław Czachórski

quarta-feira, 6 de março de 2019

HQ - Boneca da Raan (40)

História em quadrinhos traduzida de KannelArt
Outros sites do artista:   Patreon  /  DeviantArt  /  Picarto TV

Primeiro capítulo
<< Capítulo anterior