quarta-feira, 1 de dezembro de 2021

O ponto de vista da esposa de um crossdresser

Quando eu postei o artigo Entrevista com Sra. Oliver, esposa de crossdresser, há 5 anos atrás, eu queria mostrar para os outros crossdressers que é possível estar num relacionamento heterossexual saudável sendo um crossdresser. Naquela época eu estava casado e, apesar dos altos e baixos desse meu estilo de vida, eu vivenciava um relacionamento estável. Tanto que ele sobreviveu por cerca de 10 anos. No entanto, várias outras esposas de crossdresser comentaram naquele post sobre a experiência delas, nem sempre positivas, e me fez refletir profundamente sobre isso.

O texto a seguir foi escrito por um outro crossdresser que vive um relacionamento heterossexual estável, mas ele tenta se colocar no ponto de vista da esposa e nos mostra que nem tudo são flores nessa nossa jornada.

Traduzido de Enjoy Crossdressing

Todas as vezes que eu li algum artigo falando sobre o relacionamento entre um crossdresser e sua esposa, eles sempre foram escritos do ponto de vista do crossdresser. É por isso que agora eu gostaria de tentar apresentar o ponto de vista da esposa sobre o travestismo do marido.

Sei que cada caso é um caso e que vários fatores irão influenciar, principalmente a maneira como a esposa descobre que o marido é crossdresser, entre outros.

Aparentemente, todos os problemas envolvidos nesta questão vêm de não contar à esposa sobre o crossdressing desde o princípio. Se ela soubesse antes de se casar, ela teria uma opção de escolha, mas aparentemente na maioria dos casos elas não tiveram essa escolha.

Antes de falar abertamente sobre meu crossdressing com minha esposa, eu estava apenas afundado na minha própria situação, em o quanto eu gostaria de poder compartilhar isso com minha esposa e, acima de tudo, se ela aceitaria de bom grado e me apoiaria nisso.

Nunca parei para pensar em como ela se sentiria a respeito. Tudo o que importou para mim naquele momento foi que ela dissesse sim ao meu pedido.

E cheguei à conclusão de que eu nunca fui justo com ela nesse sentido.

Quando o fiz, quando tentei me colocar no lugar dela, pude entender que essa experiência, em um caso extremo, poderia ser terrível e deprimente para qualquer companheira.

Talvez eu esteja errado, mas parece que ninguém que já passou por essa situação jamais teria pensado em se colocar no lugar da esposa e pensar em como seria chocante para ela ver seu marido, o homem com quem ela se casou, vestindo uma cinta-liga, calcinha e sutiã (sem falar nas perucas, maquiagem, salto e tudo mais), e esse desconforto pode crescer com o tempo se não for estudada alguma maneira de lidar com a situação de uma forma que seja justa para ambos os lados.

Vamos apenas pensar em como seria fazer sexo nessas circunstâncias. Seja qual for a sua orientação sexual, tenho certeza de que você pode imaginar como seria se você fosse obrigado a compartilhar a cama com uma pessoa que não seja do sexo ou da preferência sexual pela qual você se sente atraído. Nesse caso, a atividade que ofereceu uma excitação sexual para um virou um desencorajamento para o outro.

Em muitos casos, fazer com que a esposa aceite seus gostos não é tão impossível. O problema pode vir mais tarde, basicamente por causa da falta de informação da esposa e do marido crossdresser.

No caso da esposa, ela não sabe exatamente o que deve esperar da situação. Ela pode agir de boa fé no início e concordar em apoiá-lo em tudo isso, mas na verdade ela não saberá ao certo se poderá adaptar todas as expectativas que ela tinha com o casamento, além dos valores e crenças sobre essa nova realidade.

Ela simplesmente nunca se imaginou vivendo nessa situação. Não é apenas uma questão de informação. É que ela não sabe como um marido crossdresser se encaixa na visão de vida dela. Se fosse o caso, ela teria buscado um companheiro crossdresser desde o início e todos seriam felizes como nos contos de fadas.

No caso do marido crossdresser, ele também não sabe bem como lidar com a situação, pois pode confundir a aceitação inicial da esposa com algum tipo de aprovação tácita para ele ter rédea solta com as suas fantasias mais selvagens.

Pode acontecer também que ele não saiba o que realmente quer, ou até que ponto ele quer ir com o crossdressing dele, acreditando que ficaria satisfeito só com o as roupas, quando no fundo existe uma disforia ou um sentimento que deseja levar essa experiência para muito além. Então, ele acaba tentando corrigir uma mentira com uma muito maior. Isso só pode levar a problemas muito maiores.

Agora imagine tudo o que poderia estar passando pela mente de uma esposa nesta situação, pensando no que ela teria feito de errado para que isso acontecesse, questionando sua própria feminilidade. Sentir-se pouco atraente, não amada, com raiva. Silenciosamente se deprimindo.

Essa sensação deve ser horrível.

Muito pior se o marido, desfrutando de sua nova liberdade, não percebe que a esposa tem um problema que ela não pode resolver sozinha.

Pensar que, se ela tiver a mente aberta, ela aceitará o crossdressing de bom grado é um erro, pois as pessoas podem ter a mente aberta sobre alguns temas, mas não sobre todos. Sempre haverá limites.

Outro erro é pensar que se a sua esposa te ama, ela deve aceitar passivamente o seu interesse em se travestir. O amor não tem nada a ver com isso. Se fosse assim, ela também poderia dizer que se você a ama, você poderia largar toda essa história de crossdressing e ser o homem que ela sempre quis. Simplesmente não funciona assim.

Sei que tudo o que foi dito acima é um quadro desolador, em que parece não haver chance de sucesso em abrir sobre o seu crossdressing para a sua esposa.

Mas este não é o caso. Sempre existe a possibilidade de sair dessa situação e ainda fortalecer o relacionamento de vocês.

Não sou especialista no assunto. O único mérito que eu tenho é que passei por esse processo e ainda estou junto com minha esposa, a quem eu amo profundamente. Mas se eu tivesse que dar algum conselho a alguém que vive o mesmo, eu resumiria em dois pontos:

  • Seja honesto consigo mesmo para que você possa ser honesto com a sua esposa. Busque saber o que você realmente deseja obter com todo esse processo;
  • Leve em consideração o que sua esposa deseja e espera tanto do casamento quanto do marido. Lembre-se de que, em um relacionamento, os desejos da sua esposa são tão importantes quanto os seus.

Espero sinceramente que você considere esta informação útil se estiver pensando em se aventurar por esses mares.

Jessica, autora do texto
3 Comentário(s)
Comentário(s)

3 comentários:

Debbi disse...

Sou crossdresser casada e recentemente contei tudo para a minha esposa após 19 anos de relação sendo 17 de casamento. Ela, "mente aberta" aceitou e me apoia apesar de não participar, algo que eu também não quero que aconteça, mas notei sim que ela está incomodada e esse texto abordou de forma brilhante esses aspectos. Obrigado por isso, me ajudou a pensar e refletir melhor.

Elina Rosa disse...

Ultimamente me sinto um tanto deprimida.

A verdade é que já desisti da ideia de que uma mulher vai me amar e me aceitar como crossdresser.

Não quero abrir mão do meu lado masculino. do mesmo jeito que não quero abrir mão do feminino. Na minha jornada de autodescoberta me esbarrei com um monte de conteúdo como os "Sissy Captions", "Sissy Porn", etc, apesar de discordar severamente do conteúdo deles, no fundo sou obrigada a reconhecer que aquele mantra que segue mais ou menos a ideia recorrente de "mulheres te desprezam, mulheres gostam de homens de verdade", é real.

O que é ser um "homem de verdade"? A discussão é válida e existem muitos argumentos que derrubam por terra o senso comum, mas a sociedade é machista. Tanto homens, quanto mulheres são machistas e ponto. E isso abre as portas para esse tipo de conteúdo que atrai justamente aqueles que sofrem de problemas de autoestima por causa dessa estigmatização na sociedade. É daí que muitas Pro-dommes arrumam seus clientes.

Apesar de estar muito mais cabeça aberta em relação a sexualidade em geral, a verdade é que eu sempre quis ter uma companheira. Me sinto atraída por mulheres. Meu fascínio por crossdressing, no fundo, nasceu daí. Mesmo já tendo questionado muito minhas preferências e cogitado outras possibilidades, eu percebi que realmente gosto de mulheres e quero me relacionar com elas. Mesmo tendo me decepcionado muitas vezes enquanto homem, sendo rejeitado, traído, enganado e até mesmo abusado financeiramente, eu ainda gosto de mulheres (acho que sou masoquista também).

Os problemas sociais relacionados ao crossdressing são muitos. Homens que precisam se compreender e se aceitar. Mulheres que precisam compreender a prática. Os vários estigmas sociais e sexuais que precisam ser quebrados.

Eu quero fazer algo para tentar mudar isso, mas não sei como. Já pensei em muitas possibilidades. As vezes me parece que só me resta aceitar a realidade e a minha solidão enquanto ouço o tema de encerramento do Fantasma da Ópera (Learn to be Lonely).

Anônimo disse...

Ótimo texto. Levo um casamento maravilhoso onde minha esposa sabe de meu crossdresser desde o início do casamento(este já com 7 anos). Acredito que exista sim mulheres que gostam de homens femininos. Mas no meu caso Consilio o crossdresser com o cuckold(corno). Não dito que seja regra para viver em paz com o relacionamento e o crossdresser, mas não nego que com o cuckold o meu lado crossdresser é aceito muito mais fácil.