quarta-feira, 8 de dezembro de 2021

Nos divorciamos porque meu marido era crossdresser

Complementando o texto da semana passada, O ponto de vista da esposa de crossdresser, o artigo de hoje trás a história de uma esposa que foi informada sobre o fetiche de crossdressing do marido depois de anos de relacionamento e que até tentou conviver com isso, mas neste caso eles não conseguiram entrar em comum acordo e preferiram terminar o relacionamento. Aqui vale refletir sobre a perspectiva da mulher.

Claro que cada caso é um caso e é uma questão complexa, mas pra mim fica evidente que não vale a pena investir num relacionamento sem abrir sobre crossdressing logo no início. Independentemente se o seu crossdressing é só um fetiche, se é um estilo de vida ou mesmo se você esteja decidido a por um fim nisso, sua sinceridade a respeito disso é uma demonstração de respeito com a sua companheira. Pode ser que ela procure aceitar e aprenda a conviver com vocês, mas também pode ser que acabe com o futuro de vocês. Apesar disso, eu suspeito que seja melhor abrir no início e tentar encontrar um termo de convívio do que causar uma desilusão maior no futuro. 

Traduzido de woman's day

Eu estava na cama com meu ex-marido, enquanto os seis anos de sexo abaixo da média passavam pela minha mente como um filme mudo.

O início do nosso relacionamento era só rosas e passeios na praia. Literalmente. Com o passar do tempo, chegamos ao nosso trigésimo encontro, quando resolvemos comprar um colchão juntos. Carregamos o novo colchão de casal por três lances estreitos de escada e ele, suado e com o rosto vermelho, logo se jogou em cima dele. Eu o imaginei estendendo a mão para mim com paixão – e ele o fez. Mas, ao invés de me atirar na cama, ele me puxou em sua direção de uma forma que só poderia ser descrita como casta.

"Esse colchão será muito mais confortável", disse ele. Era como se o sexo nem fosse um interesse.

Avance vários anos nessa história e a conversa que encerrou nosso casamento começou assim:

"Tenho algo que preciso dizer a você – algo que eu nunca disse a ninguém antes", disse ele.

Ainda estávamos na fase de lua de mel neste ponto, literal e figurativamente. Estávamos deitados lado a lado olhando para o teto depois de outro coito rápido e insatisfatório – ao qual eu estava me acostumando, de alguma forma.

"O que é, baby?" Eu perguntei. Eu mal conseguia pronunciar as palavras por causa do nó na minha garganta.

Ele ficou em silêncio. O tempo se esticou e diminuiu. E então ele disse sem rodeios: "Eu só consigo ficar excitado se eu estiver usando roupas femininas."

Estranhamente, meu primeiro instinto foi confortá-lo. Fiquei emocionada que ele confiasse em mim o suficiente para compartilhar seu segredo mais sombrio comigo, e eu realmente pensei que isso não iria acabar com o nosso relacionamento. Até comemorei o quão aberta e receptiva eu era. Mesmo sabendo que o travestismo não era uma coisa ruim, a notícia me atingiu como se fosse um diagnóstico de câncer ou de depressão. Eu nunca poderia ir embora porque o meu parceiro estava lutando contra algo assim.

Mas acabou que a minha resposta positiva durou pouco.

Na manhã seguinte, acordei cedo e estendi a mão para ele. A essa altura, eu estava preocupada que o sexo não estivesse sendo levado em consideração. Então eu assumi o controle.

Passei alguns dias online me assegurando de que crossdressers possam ser heterossexuais. Pesquisei saltos altos tamanho 42. Quando a enorme caixa chegou pelo correio, ele ficou chocado. Ele nunca se sentiu tão apoiado e confortável.

Apesar disso, conforme ele se aproximava, eu me afastava.

Por fora, eu estava mais envolvida do que nunca. Meus pais tinham uma casa em Provincetown (Massachusetts, Estados Unidos), que era considerada uma meca da liberdade sexual. Juntos, fomos até uma loja especializada em roupas femininas para homens. Compramos um espartilho e um segundo par de sapatos. Ele escolheu um vestido e um batom. Em casa, ele pendurou delicadamente cada item em nosso armário compartilhado. Olhei para suas lantejoulas e sapatos escuros e percebi que ele estava mais bem equipado do que eu. Eu me convenci de que uma parceria vai muito além do sexo. Éramos melhores amigos e eu decidi que não precisava de mais nada.

A primeira vez que ele se montou para se deitar, ele parecia estar pronto para um baile de gala. Enquanto eu estava com uma calça de pijama manchada e um top. Quando ele se aproximou de mim, eu me afastei – sem saber como eu deveria me sentir. Mas então eu me corrigi cuidadosamente e o abracei.

Foi horrível.

Seu peito musculoso e liso estava coberto por um espartilho de renda. Seus ombros atléticos bronzeados pairavam sobre sua cintura contraída. Todos os lugares que eu o segurei estavam cobertos e apertados. Eu não tinha percebido o quanto eu amava o corpo masculino dele até que ele se moldou em algo diferente.

Eu não estava preocupada pensando que ele fosse gay. Eu estava preocupada com a mudança na minha vida sexual – para todos os efeitos e propósitos, agora eu estava fazendo sexo com uma mulher. Ainda era ele. Mas não era ele. Quando ele começou a se barbear e se enfeitar, eu queria que ele ficasse longe de mim. Eu não queria que ele admirasse o próprio corpo dele feminizado – eu queria que ele admirasse o meu. Comecei a temer que eu o encontrasse sob os lençóis com as roupas. Eu queria aquelas pernas peludas de volta.

Eu ficava imóvel enquanto fazíamos sexo. Ele ficava tão animado vestindo o espartilho e a meia arrastão que o sexo era... rápido. Deitados um ao lado do outro, olhando para o mesmo teto, ele estava arrulhando de prazer e conexão enquanto eu me contorcia para longe dele.

Depois, deitávamos na cama meio vestidos – eu com uma camiseta suja, meu marido com um sutiã de renda. Ele tinha uma mão no peito dele e a outra em mim. Quando ele tocou no meu corpo, percebi que ele estava imaginando que era dele.

Tive vergonha de perceber que eu sentia repulsa.

Durante a luz do dia, tentei me convencer a sair dessa nova mentalidade. Eu me dei um discurso estimulante: "Você o ama, você quer que ele seja feliz e já decidiu que o sexo não era a característica que definia o seu relacionamento."

Por exemplo, pensei, ele adorava filmes de ficção científica... eu não. Isso nunca nos separaria. Por que um fetiche sexual causaria mais divisão do que isso? A alienação que senti me envergonhou; Eu queria tanto amá-lo incondicionalmente. Eu queria aceitar essas diferenças. Mas o que eu mais queria era voltar no tempo para a nossa pobre vida sexual – a de antes dele brincar de se fantasiar.

Ironicamente, ele ficou obcecado por sexo. Ele passou uma vida fantasiando sobre isso – e finalmente se tornou realidade. Ele usava lingerie por baixo das roupas e estava pronto a qualquer hora. Mas a cada ato sexual eu me retraía mais.

Foi quando notei que ele não percebeu que eu tinha um problema que eu não poderia resolver sozinha. Um dia eu disse a ele: "Precisamos conversar sobre o seu crossdressing." Ele imediatamente soltou a mão da minha.

"Você disse que estava tudo bem", disse ele bruscamente. "Eu nunca teria feito nada disso se você não estivesse de acordo."

"Agora eu tenho mais informações. Eu percebi que, por mais que isso te excite, me desanima", eu admiti.

Ele ficou em silêncio.

Então eu perguntei se ele poderia se travestir apenas enquanto estivesse sozinho. Sobre isso, ele não disse nada. Mas o que ele disse na sequência foi o fim. Ele queria o que queria e eu era apenas um acessório na vida dele – assim como na vida sexual. Eu era menos valiosa do que os espartilhos dele.

"Não vou voltar ao sexo baunilha", ele me disse. Também disse que se precisasse ele iria encontrar outra pessoa.

Em questão de semanas, deixei tudo para trás – a casa, o carro e os sapatos dourados tamanho 42.

Não foi até o momento em que eu estava decorando meu apartamento com diversas coisas tão femininas quanto possível que me permiti perceber o quão chateada eu estava. No começo, me senti indigna de amor e atração. Então eu fiquei com raiva. Os seis anos inteiros perderam o significado. Eu me casei com ele apesar de estar insatisfeita com a nossa vida sexual, ainda assim ele desistiu de mim quando percebeu o quão insatisfeito ele estava.

Depois que eu parti, nós nos encontramos apenas mais duas vezes. Uma vez quando devolvi meu anel de noivado e outra vez no tribunal. Após o som do martelo do juiz, nos abraçamos e nos despedimos, e acho que eu senti o arame do espartilho sob sua camisa de botão.

0 Comentário(s)
Comentário(s)

Nenhum comentário: