terça-feira, 19 de janeiro de 2021

Crossdressing e relacionamento: Querida, precisamos conversar!

Devo contar ou não sobre o crossdressing para a minha esposa/namorada?

Esse é um assunto delicado e que merece atenção. Relatei aqui neste artigo como foi que aconteceu a abertura a respeito do meu crossdressing para a minha ex-esposa, mas comigo meio que aconteceu sem nenhum tipo de preparo ou planejamento e por acaso acabou dando certo. O artigo a seguir foi escrito pela Hannah McNight e é um ótimo incentivo para você se abrir para a sua companheira.

Apesar de saber o quanto isso dificultará a minha vida amorosa, me convenci de ser honesto desde o começo em qualquer relação que eu for iniciar daqui para frente. Não pretendo passar pelo estresse de viver uma segunda vida escondido.

Traduzido de enfemmestyle

Existe alguma frase em um relacionamento que deixe alguém mais nervoso do que "precisamos conversar"?

Apenas ouvir essas palavras nos faz temer o pior. O que nossa parceira precisa nos dizer? Está muito ruim? Quão longa será a conversa? Que assunto será tratado? Para crossdressers e aqueles que têm mais de uma identidade de gênero, essas palavras podem causar muito medo, especialmente se não formos abertos sobre o assunto. Será que encontraram aquelas calcinhas escondidas na parte de trás da cômoda? Ou viram nosso histórico do navegador?

Ser quem somos não é fácil. Não podemos negar ou mudar quem somos. E nem deveríamos. Não há nada de errado em ter vontade de usar roupas bonitas, seja uma lingerie linda ou um vestido deslumbrante combinando com salto agulha. Não há nada de errado em querer se sentir ou ficar bonita. Não é fácil aceitar essa parte de nós mesmos, mas quando você o faz, acaba percebendo que não pode mudar. Isso faz parte de você tanto quanto qualquer coisa que o torna quem você é. Sou destro, adoro ler e uso calcinha todos os dias. Esse é quem eu sou. Isso é quem eu sempre fui e é isso que sempre serei. Eu me aceitei e me abracei e nunca estive mais feliz.

Desde o dia em que comecei a comprar minhas próprias roupas, entrei num ciclo aparentemente interminável de querer comprar de tudo, desde lingerie a sapatos e vestidos, usá-los por um tempo e depois me livrar de tudo. Alimentado pela paranoia e pela culpa, eu os jogava tudo fora, apenas para voltar às compras algumas semanas depois. Demorou muito mais do que deveria e gastei mais dinheiro do que eu gostaria, mas no final percebi que era assim que eu era. É quem eu sempre fui e sempre serei. Eu sabia que não importava que tipo de mudanças na vida eu teria, isso sempre seria uma parte de mim.

A mudança de vida mais maravilhosa que tive foi me casar. Para aqueles de nós que estão em um relacionamento, sabemos como é maravilhoso amar alguém e ser amado por ela. O amor nos muda, e geralmente nos muda para melhor. Minha esposa me inspirou a me tornar uma pessoa melhor. Tornei-me mais paciente, mais atencioso e um melhor comunicador. Eu queria ser mais aberto e honesto com ela. Nós precisamos ser. Relacionamentos são parcerias e consiste em duas pessoas trabalhando juntas. É difícil fazer isso se você não pode confiar no seu cônjuge. Assim que soube que queria me casar com ela, soube que precisava contar a ela sobre... bom, sobre tudo isso.

Então, eu contei para ela.

Ela há muito tempo suspeitava que havia... algo que eu estava escondendo dela; entretanto, ela não tinha ideia do que poderia ser, e certamente não era o que ela imaginava. O choque passou, tivemos muitas conversas ao longo dos meses seguintes. Quando eu me assumi para ela minhas roupas se resumiam a lingeries e sapatos. Afinal, o que é mais sexy do que um sutiã rendado combinando com a calcinha, meias com risca e salto agulha preto? Ela não entendeu muito bem o meu crossdressing, mas tudo bem. Não entendo por que eu gosto de usar essas roupas. Não procuro mais analisar por que gosto do que gosto, se é um espartilho ou um certo tipo de comida. Existem coisas que me tornam quem eu sou, e isso faz parte.

Ao longo dos anos que se seguiram, nosso relacionamento cresceu, nos casamos e meu vestuário continuou a evoluir. Passei de calcinha para, quer dizer, ainda uso calcinha, mas agora tenho um armário inteiro com um pouco de tudo, desde um lindo vestido a saias de couro e vestidos perfeitos para o brunch de domingo. Minha esposa fez parte dessa jornada. Nem sempre foi fácil para ela, mas pelo menos eu sempre fui honesto com ela.

Por mais difícil que fosse para ela passar por isso comigo, também era difícil para mim ser honesto com ela. Não que eu tenha escondido as coisas dela, não foi fácil revelar a ela todos aqueles anos atrás. Até porque estamos acostumados a manter este nosso lado em segredo. Sabemos que os outros provavelmente terão dificuldade em entender essa parte de nós. Quer dizer, se não sabemos por que gostamos de usar vestidos, por que outra pessoa saberia? Também temos medo de como os outros reagirão a essa revelação. Eles vão pensar que somos gays (não que haja algo de errado com isso)? Eles vão pensar que queremos fazer a transição? Eles nunca mais vão querer falar conosco? Eles compartilharão essas informações com todos que conhecem? Não é surpreendente que queiramos manter esse segredo guardado, mas sabemos que precisamos ser honestos conosco e com nossas parceiras.

Então... como vamos contar a elas? Além de ser duzentos por cento honesto, não há maneira certa de dizer à sua parceira que você é... bom, você é quem você é. Se gosta de usar algo bonito por baixo das roupas masculinas ou se tem uma segunda identidade de gênero. Não posso te dizer como você deve contar ou que palavras usar, mas sei que há algumas coisas que você precisa manter em mente:

Conheça a si mesmo
Como você se identifica? Você se identifica como crossdresser e simplesmente gosta de usar roupas que são tradicionalmente consideradas femininas? Ou tem algo mais? Você acha que esse seu lado é mais do que apenas roupas? Eu sei que para mim é. Eu me sinto diferente, tem um lado de mim que, embora esteja sempre presente, se realça quando estou de salto, com peruca e maquiagem. Eu sinto que tenho duas identidades de gênero muito diferentes e separadas, dependendo de como estou vestida.

Desafie-se
Seja honesto com você mesmo. Isso é muito parecido com conhecer a si mesmo, mas é sobre tornar-se realmente real com quem você é. Você está em conflito com quem você é? Este lado nosso não é fácil de resolver e aceitar, então pode te causar algum estresse, mas será que esse estresse é resultado de você não ter certeza de sua identidade de gênero? Você pode pensar que tudo isso tem a ver com saltos e vestidos, mas é mesmo? Depois que me aceitei, falei com um terapeuta sobre esse meu lado porque queria que ele me desafiasse. Nunca achei que a transição fosse certa para mim, e meu terapeuta ajudou a garantir que eu não negasse.

Esteja preparado
Sua companheira provavelmente ficará chocada com isso e, realmente, você pode culpá-la? Esta é uma conversa que a maioria das pessoas não espera ter. Haverá muitas emoções durante a revelação inicial, e também nas próximas semanas. Ela pode estar com raiva porque você escondeu isso dela. É uma reação justa. Este não é um aspecto de alguém que todos irão aceitar. Ela provavelmente terá muitas perguntas. Diga a ela a verdade. Se você disse a ela que teve uma viagem de negócios no ano passado, mas na verdade foi a Las Vegas (ou São Paulo) para uma transformação, isso é algo que você provavelmente deveria dizer a ela. Nada de bom vem de mentir e mentir sobre seu crossdressing apenas prejudicará seu relacionamento e, ainda mais, sua credibilidade.

Tenha compaixão
Escute-a. Ela pode estar com medo. Claro, hoje pode ser tudo sobre calcinhas, mas e daqui a cinco anos? Por mais que você diga a ela que não tem intenção de fazer a transição, esse medo sempre estará lá. Quando as pessoas entram em um relacionamento de compromisso, pretende-se que seja uma parceria de longo prazo. A mudança de identidade de gênero do parceiro transforma completamente a dinâmica do relacionamento e não é uma mudança com a qual todos possam conviver.

Pense bem
Pense na sua parceira. Vocês dois provavelmente se conhecem melhor do que qualquer outra pessoa no planeta. Embora você não tenha ideia de como ela vai reagir, você precisa pensar na melhor maneira de contá-la. Ao longo de um relacionamento, vocês dois viverão momentos maravilhosos, mas também momentos difíceis. Todos nós tivemos que dar más notícias aos nossos entes queridos e esperançosamente sabemos um pouco sobre a maneira certa de revelar algo que é potencialmente devastador ou doloroso.

Ouça, não quero assustá-lo a ponto de você ter ainda mais medo de sair do armário do que você já tem. Esta é uma conversa terrível de se ter. Não importa o quão bem você conheça alguém, você realmente não sabe como essa pessoa vai reagir. Eu entendo a hesitação. Eles podem nos abandonar. Eles podem contar para todos. Eles podem nos ridicularizar. Esses são os medos básicos. Esses eram os meus medos. Acredito que ser honesto sobre esse seu lado é sempre a escolha certa. Sua parceira precisa saber tudo sobre você, especialmente algo com que ela possa não se sentir confortável. Seja honesto com quem você é, porque isso é quem você é. Aceitar-se é um presente. Seja honesto com você mesmo. Seja honesto com a sua parceira.

Existem muitos relacionamentos felizes e gratificantes entre um crossdresser e uma companheira. O traço comum é que eles sempre foram honestos um com o outro. Eu sei que não é fácil, acredite, eu sei. Mas é a coisa certa a se fazer.

Artigo escrito por Hannah McNight

Aproveitando o texto, deixo a seguir algumas fotos de casais para mostrar que realmente é possível ter um relacionamento e ser crossdresser ou transgênero. Dependendo da companheira isso pode até tornar as coisas mais divertidas entre o casal, confiram:

1 Comentário(s)
Comentário(s)

Um comentário:

Anônimo disse...

Muito bom o post. Atualmente sou casado e acompanho o blog tem anos, é meu primeiro comentario aqui .
Com 6 meses de namoro já morava junto, no inicio tentei parar com o crossdressing mas como todas sabemos não tem como parar com algo que já nasceu com a gente. Até então eu morava com minha mãe, e tinha algumas coisinhas que conseguia esconder (um scapin enorme e algumas calcinhas), Até então achava que nunca iria compartilhar esse meu lado com alguém. ate que fui influenciada pelas historias de algumas que foi contada aqui no blog, ate da própria Sammy (Ela não sabe mas é minha expiração). Contei pra minha companheira e no inicio foi um choque, conversamos bastante e vejo que foi uma das melhores coisas que podia ter acontecido, hoje compartilhamos a gaveta de calcinha, algumas dela eu tomei posse para mim e algumas das minhas ela tomou pose também rsrsr.