quarta-feira, 22 de setembro de 2021

Como equilibrar sua vida cotidiana com o seu lado crossdresser

Não sei ao certo se isso é o prazer ou o fardo de ser crossdresser, mas sei que é fato que a maioria dos crossdressers que eu conheci até hoje levam uma "vida dupla". Como sabemos que o nosso lado feminino tende a ser mal visto pelos outros, costumamos manter esse comportamento de maneira bem privada e só desfrutamos o modo en femme nos momentos em que sentimos segurança plena. Consequentemente isso acaba afastando o nosso lado feminino da nossa vida cotidiana e, depois de um certo tempo, não é nada fácil pensar em conciliar essas coisas.

O texto a seguir mostra a perspectiva da CiCi Kitten, que também é crossdresser, e nos faz refletir um pouco a respeito de quem somos e o que estamos buscando.

Samantha Oliver

Traduzido de EnFemmeStyle 

Sobrecarregado

Eu não sei como as outras pessoas fazem. Mas se eu tivesse que resumir minha vida hoje em dia em uma palavra, essa palavra seria "sobrecarregado". Tudo fica muito louco no mundo feminino, não é? E olha eu passei muito tempo no armário. Eu era uma garota apenas quando estava online. E eu sempre ficava ansioso pelo dia (ou noite?) que eu finalmente pudesse começar a sair. Achei que seria uma grande conquista para mim (e foi!). Achei que seria divertido (e é!).

Só não sabia o quanto isso seria exaustivo! (E olha eu nem saio muito.) Eu acho que sou parecido com muitos outros crossdressers e travestis. Eu sou casado. Eu tenho uma família. Eu tenho uma carreira. Eu tenho amigos. E todos eles precisam e merecem a minha atenção.

Mas essa coisa de garota. Ela lentamente começa a assumir o controle da sua vida. Num bom sentido. (Eu acho.) Isso tornou a minha vida muito mais agradável. Muito mais satisfatória. Muito mais sensual. Mas com certeza não facilitou a minha vida.

Em épocas em que eu deveria estar poupando cada centavo, minha vida feminina me pede para gastar mais e mais. Em momentos em que eu preciso estar realmente focado no meu trabalho, minha vida feminina me distrai. Em momentos em que meus amigos e família merecem minha atenção, sou atraído por um novo grupo de amigas.

Adriana Lavigne

E as duas vidas são, frustrantemente, distintas.

Nenhum dos lados realmente sabe muito sobre o outro. Por exemplo, se algo de bom acontecer na minha vida feminina, não tenho praticamente ninguém na minha "vida hétero” com quem eu possa discutir o assunto. Porque eu mantenho a minha vida de CiCi privada. Por outro lado, se algo de bom acontecer na minha vida de homem, não posso contar a ninguém na minha "vida feminina", porque protejo minha privacidade. Assim, acabo sem ninguém para compartilhar os bons e os maus momentos. Não há cruzamento entre os dois blocos.

E eu não tenho ninguém para culpar a não ser eu mesmo. Eu poderia me confessar para os dois lados. E talvez algum dia eu faça. Só ainda não estou pronto para realizar esse movimento. Então, fico preso entre esses dois mundos. Estou numa “terra de ninguém”.

Não faz muito tempo, uma amiga muito querida me perguntou o que eu faria se eu me sentisse realmente livre para seguir a minha "vida feminina". E eu fiquei chocado com a pergunta. Percebi que a ideia de liberdade era totalmente impensável para mim. Eu nunca levei isso realmente em consideração. Quer dizer, eu tenho fantasias o tempo todo. Vou fugir para Las Vegas e me tornar uma showgirl. Algum sugar daddy vai me adotar e eu vou passar os meus dias voando ao redor do mundo, indo de resort em resort. Ou uma amante pervertida vai me escravizar e me manter em sua própria masmorra.

Belas fantasias. E tenho certeza de que você também tem as suas próprias fantasias igualmente incríveis. Mas e se fosse real? E se você realmente pudesse perseguir suas paixões sem medo de perder seus amigos e familiares? Sem medo de perder o seu emprego? Sem medo de perder a sua esposa ou a sua namorada? Então o que você faria?

Simply Ruby

O que você faria se ninguém se importasse?

Imagine por um momento que o crossdressing não fosse visto como um estilo de vida tão estranho. E se vestir-se como uma mulher não fosse diferente de ter uma tatuagem ou ter um piercing – pode não ser a norma, mas se fosse um comportamento aceitável pelos padrões de hoje?

Obviamente, todos nós nos montaríamos mais. Mas você iria adotar isso em tempo integral? Você iria trabalhar vestido de mulher? Você queria isso? Você passaria tempo com seus amigos “héteros” no modo feminino? Participaria de coquetéis trajando um vestido colado? Você faria compras e jantaria fora ou iria para festas ou ficaria na fila do DETRAN no modo feminino?

Jeanne Lazareva

Você faria as coisas que você mais gosta en femme?

Estou me imaginando no Estádio dos Dodgers usando uma micro saia e um salto agulha. Mas eu realmente faria isso? Você faria? Espero que sim. E eu espero que eu também. Mas então eu percebo que aquela fantasia – a fantasia onde o mundo aceitaria crossdressers como nós sendo membros normais da sociedade – é uma fantasia tão forçada quanto a do sugar daddy ou da esposa dominadora. Talvez seja até mais.

Espero que isso esteja mudando. Espero que sites como este estejam gradualmente ajudando a tornar esse estilo de vida inofensivo mais aceitável para o mundo em geral. Mas, ainda mais, espero que sites como este o ajudem a se sentir mais aceito por você mesmo.

Uau! Quando eu olho para trás neste blog, parece um pouco deprimente para mim. E não era para ser. Eu acho que o crossdressing já percorreu um longo caminho nos últimos anos. E acho que iremos ainda mais longe nos próximos.

E estou me divertindo – apesar de sentir que estou sendo puxado em duas direções muito diferentes. Eu conheci tantas outras garotas por aí que estão passando pelas mesmas coisas que eu. E todas me apoiaram muito. Tão gentis. Tão dispostas a me deixar (geralmente um completo estranho) desabafar ou discutir ou reclamar ou compartilhar ou torcer ou rir ou chorar. Eu sei que há muita maldade por aí no mundo feminino. Muito ciúme mesquinho e desprezo impensado. Mas quando penso em como todas têm sido legais comigo e em quão próximas todas somos, quase como irmãs, fico com os olhos cheios de lágrimas. E mais uma vez, eu fico...

sobrecarregado.

Tome cuidado lá fora.

Fique seguro. Seja esperto. Seja sexy!

Beijos,

CiCi

CiCi Kitten, autora do texto
8 Comentário(s)
Comentário(s)

8 comentários:

mylene disse...

vous dites que cela avance dans les grandes villes peut être mais ailleurs...
Si ça avance vraiment, vite, vite, vite, je n'ai plus 20 ans!!!
biz

Unknown disse...

Tb me sinto assim.

Samantha Íris disse...

Tudo isso ocorre comigo, inclusive fui além, uso hormonios fiz plasticas para ficar mais feminina e quero conciliar tudo isso com minha vida masculina, me sinto muito sobrecarregada e sozinha! Mas também não quero perder o que conquistei, acho muito difícil ser crossdresser.

Unknown disse...

Isso é minha vida também estou passando por isso tudo entre dois mundo não sei o que vai dar vou sobrevivendo.

Anônimo disse...

Ser mulher é difícil e exige tempo. Ser cdzinha em tempo parcial exige o dobro, muita paciência e disposição mas recompensa. Nada como viver o mundo feminino na sua plenitude ainda que por poucas horas. Sou mulher em corpo masculino e me divirto.

Unknown disse...

Eu também gosto vesti causia e sutião saia não consigo vive sem usa causia escondido kkkk mais um aqui

Anônimo disse...

Olá também né sinto assim e tô pensando em fazer cirurgias também..comecei a fazer terapia. Bom pra organizar os pensamentos

James Eduardo disse...

Car, parece que eu (homem) escrevi esse texto a quatro mãos (com meu lado mulher) … poxa vida, é difícil mas é bom tbm.