quarta-feira, 30 de junho de 2021

Porque você não deve supor a identidade sexual das pessoas

Acho que eu já me acostumei com o fato de as pessoas automaticamente suporem que eu sou homossexual por conta da minha identidade de gênero, o que não é o caso. Já fui questionado por familiares, amigos, desconhecidos, até por uma crush sobre isso e cheguei a comentar a respeito disso quando escrevi sobre a minha visita numa balada hétero. No passado eu me incomodava com essa percepção, mas chegou um ponto que percebi que não tinha muito o que fazer e acabei deixando isso de lado.

O texto a seguir foi escrito por uma mulher que não tem a aparência mais feminina do mundo e que passa exatamente pela mesma situação. Acho que isso também tem relação direta com a questão da passabilidade, pois no fundo não existe homem/mulher padrão nem hétero/homo/bi padrão. Cada um tem o seu jeito. Cada um tem a sua aparência. Cada um tem a sua personalidade. E, o mais importante, cada um merece o devido respeito!

Traduzido de Alana Rister, Ph.D.

Não, eu não sou lésbica e o seu gaydar está errado!

Muitas pessoas me veem como lésbica. Desde como me visto até a maneira como falo, aparentemente eu envio um alerta ao gaydar das pessoas. Na verdade, apesar de eu estar em um relacionamento sério com um homem há mais de 5 anos, as pessoas me incentivam a sair do armário.

Eu até entendo por que as pessoas presumem que eu sou lésbica. No entanto, essas suposições me causaram sofrimento e angústia desnecessários. Matou minhas amizades, prejudicou meu relacionamento com a minha família e, por fim, tornou muito difícil a minha autoaceitação.

Provavelmente eu devo ser uma das poucas pessoas heterossexuais que passou por severos questionamentos sobre minha identidade sexual por causa da pressão social. Acredite em mim, eu sei que sou heterossexual.

Desta forma, quero compartilhar as 3 principais razões pelas quais as pessoas presumem que eu sou lésbica e porque a sociedade deve parar de fazer suposições sobre a identidade sexual e sobre a identidade de gênero dos outros.


Minha aparência
De longe, o maior motivo pelo qual as pessoas acham que sou gay é por causa da minha aparência. Minha aparência fica em algum lugar entre andrógina e masculina, dependendo do dia.

Eu tenho um corte de cabelo bagunçado, visto roupas de homem e nem mesmo encosto em maquiagens. Esse visual supostamente masculinizado costuma plantar a ideia de que eu devo ser lésbica.

Eu me identifico como agênero. Isso significa que não me vejo como homem ou como mulher e rejeito a noção de estereótipos de gênero. Embora minha jornada para encontrar minha identidade de gênero tenha sido complexa, isso me deu a liberdade de ser quem eu quero ser sem me sentir constrangida.

Vale lembrar que a identidade de gênero e a identidade sexual não estão relacionadas. Isso costuma ser um equívoco devido à crença de que aqueles que desafiam as identidades de gênero geralmente são homossexuais. No entanto, nem todos os homossexuais têm identidades de gênero não binárias.

Na sociedade, podemos entender que uma mulher feminina possa ser lésbica, mas parece que não podemos aceitar que uma mulher masculinizada possa ser heterossexual.

Estou aqui para lhe dizer que nós existimos. Nossa identidade de gênero não desafia ou altera nossa identidade sexual.


Uso o termo “parceiro”
Outra razão pela qual as pessoas costumam presumir que eu sou lésbica é que eu chamo meu companheiro de “meu parceiro”. “Parceiro” é um ótimo termo neutro no que se refere à gênero; no entanto, muitas vezes as pessoas assumem que o termo está associado a um relacionamento do mesmo sexo.

Por causa dessa suposição, acho que usar o termo “parceiro” em um relacionamento heterossexual é ainda mais importante. Ao fazer isso, você pode alterar as suposições das pessoas sobre a palavra “parceiro” e ajudar a diminuir o estigma da palavra.

Em última análise, você não deve assumir a identidade sexual das pessoas com base em termos de gênero neutro adotados.


Cursei sexualidade e estudos de gênero
Na faculdade, eu estava muito interessada em estudos de sexualidade e gênero. Então, decidi me formar em estudos de sexualidade e gênero, além de fazer a minha especialização em química. No entanto, muitas pessoas logo presumiram que eu seria lésbica porque eu estava interessada nesse assunto.

Embora eu me considere um membro da comunidade LGBT, não me considero uma minoria sexual. Apesar disso, gosto do lado acadêmico desse tipo de estudo.

O estudo de sexualidade e gênero, ou estudos LGBTQ, deveria ser realizado por todos os indivíduos e não se trata de um indicador de orientação sexual fora do padrão.


Pensamentos finais
A suposição da orientação sexual de terceiros pode causar angústia para a pessoa. Por anos, fui provocada por não sair do armário porque eu não tinha vocabulário para explicar como eu me sentia. Além da dificuldade de me aceitar, as suposições dos outros sobre minha orientação sexual causaram dificuldades tanto nos meus relacionamentos familiares quanto nas minhas amizades.

Embora possa parecer divertido falar sobre a precisão do seu gaydar, se você estiver interessado em saber a identidade sexual de alguém, pergunte para ela ou simplesmente cuide da sua própria vida se isso não envolver você.

Alana Rister, autora do texto

0 Comentário(s)
Comentário(s)

Nenhum comentário: