sexta-feira, 30 de outubro de 2020

A razão pela qual eu não digo às pessoas que sou mulher

Olá meninas! Sei que estou sumida a um bom tempo e considerando tudo que tem acontecido na minha vida e no mundo todo está difícil de sentar para escrever, publicar ou fazer qualquer coisa do gênero, mas saibam que estou viva e ainda não desisti do blog. Também não desisti da vida de homem feminino, muito pelo contrário, continuo tentando vivenciar meu ego da forma mais sincera possível no dia a dia.

Ultimamente eu estou voltado a ler diversos artigos relacionados a homens femininos e me senti tocado pelo texto do Adrian Acosta (Amnesia Sparkles) que fala do por que ele não se apresenta como sendo mulher para a sociedade, algo que me identifico bastante, e isso me deu ânimo para traduzir e vir postar aqui no blog, quem sabe seja sinal de um retorno... espero que vocês também apreciem!

Traduzido de GenderFun
No ano de 1979 eu nasci, então o médico olhou meus genitais e disse "é um menino". Fui socializado como um menino. Eu vivi a vida de um menino, de um jovem adolescente e depois de um rapaz adulto. Agora, aos 41 anos, o sexo indicado na minha carteira de motorista ainda diz MASCULINO, mas quando eu ando pelas ruas movimentadas de Nova York algumas pessoas me chamam de "moça". Ultimamente as pessoas até me perguntam quais pronomes devem usar comigo. Eu olho para meus genitais e sim, ainda vejo um pênis ali, talvez um pouco maior do que era em 1979. Será que é um menino?

Outro dia, eu estava no telefone com o meu namorado e o colega de quarto dele perguntou se ele estava conversando com um cara ou uma garota. Eu disse a ele para responder "sim". rsrs

Algumas semanas atrás um cara me viu saindo de um banheiro público masculino então me parou para dizer que eu era uma linda mulher.

Algumas pessoas na minha vida usam pronomes femininos comigo e outras usam pronomes masculinos. Eu nunca os corrijo. Eles não estão errados.

Então por que não digo às pessoas que sou mulher? Eu sei que algumas pessoas ficam em pé de guerra quando ouvem outros dizerem que "mulheres trans são mulheres". Eu não sou uma mulher trans. Eu também não sou uma mulher cis. Simplesmente não sou uma mulher. É muito simples.

Você pode perguntar se eu me sinto como uma mulher? Eu me sinto como eu mesmo. Quer dizer, vamos cair na real, como é ser mulher? (aproveite para ler o meu post "Na dúvida da transição: o que é ser mulher?")
Sou uma mulher presa no corpo de um homem? Não.

Eu tenho um cérebro feminino? Acho que não. Qual é a aparência de um cérebro feminino? Quer dizer, se houver diferença entre um cérebro masculino e um cérebro feminino eu gostaria de fazer uma varredura cerebral para ver qual marcador sexual é atribuído.

Você pode perguntar "mas você está tomando hormônios desde 2018?" Está correto.

Sim, eu tenho uma aparência um pouco feminina. Sim, os hormônios que tomo desde 2018 fizeram meu corpo desenvolver seios pequenos. Tenho o que alguns consideram uma expressão feminina. Se isso me torna uma mulher aos seus olhos, ok, eu sou uma mulher para você. Mas não preciso dizer a ninguém que sou mulher, sabe, porque acho que seria hipocrisia. Me sinto bem em não ser mulher.

Como coletivo dividimos o mundo em dois sexos, masculino e feminino. Eu sei, eu entendo.

Então isso significa que sou um homem? Cara, essa é uma boa pergunta. Algumas pessoas acham que sim. E me sinto bem com isso também.

No final do dia vou continuar sendo eu mesmo. Se você me vê como uma mulher, tudo bem. Se você me vê como um homem, tudo bem também. Agora, por favor, me passe o purê de batatas ;-p

4 Comentário(s)
Comentário(s)

4 comentários:

Fabio18 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fabio18 disse...

Muito linda, parabéns, espero ser um dia parecido com vc, tenho 17 e não vejo a hr de morar sozinho e poder usar calcinha o dia todo, sem medo.

Mel disse...

Hehe... Eu penso de uma maneira bem parecida.

Ps. Gostei das fotos

Mel disse...

Hehe... Eu penso de uma maneira bem parecida.

Ps. Gostei das fotos