quarta-feira, 15 de setembro de 2021

O problema com o rótulo de "transgênero"

Traduzido de Douglas Giles, PhD

Vou abordar um assunto delicado e ouso perguntar: qual é o problema com o rótulo de "transgênero"? Não há absolutamente nenhum problema com qualquer ser humano que possa se considerar "transgênero" pois todos os seres humanos devem ser aceitos pelo que são. O problema é o próprio rótulo, basicamente porque se trata de um rótulo.

Primeiro, sejamos claros sobre qual é o problema.

Uma pesquisa do Reino Unido descobriu que 79% das pessoas que se identificam como transgênero vivenciaram crimes de ódio relacionados à sua identidade de gênero e 32% sofreram violência física. Ambas as porcentagens são mais altas do que as experiências de gays, lésbicas e bissexuais. A Human Rights Watch relata que a violência mortal contra pessoas da comunidade trans está aumentando.

Pessoas estão sendo discriminadas, assediadas, ridicularizadas, agredidas e até mortas porque não se enquadram bem nos estereótipos culturais de "homem" ou "mulher". Eu coloquei “homem” e “mulher” entre aspas porque os gêneros são construções sociais. Em outras palavras, as categorias de “homem” e “mulher” significam o que decidimos coletivamente que significam, e esses significados mudam conforme as culturas mudam. Não se trata de genitália, mas do que as pessoas pensam e sentem sobre o conceito de “homem” e “mulher” e sobre os valores que atribuem a esses significados. Valores e significados são anexados a conceitos e esses conceitos são representados por uma palavra ou rótulo.

Nesse caso, se uma pessoa não está agindo como um “homem” ou como uma “mulher” “deveria” agir, é amplamente considerado que essa pessoa está fazendo algo impróprio. Indivíduos que agem de forma contrária às essas normas sociais podem ser tratados com suspeita e hostilidade. Os estereótipos são maneiras simples e fáceis de categorizar as pessoas, e se alguém pensa que todos são “homem” ou “mulher”, então julgar as pessoas é fácil. As pessoas confiam em conceitos e em seus rótulos para saber como devem pensar, sentir e fazer julgamentos sobre as coisas. Conceitos e rótulos dão uma sensação de segurança e compreensão, razão pela qual muitas pessoas se sentem desconfortáveis ​​quando outras não se conformam com as normas sociais do que um “homem” ou uma “mulher” deve ser.

A questão é: como podemos parar a discriminação e a hostilidade contra pessoas que não se conformam com estereótipos sociais como "homem" e "mulher?" Se o problema é julgar as pessoas de acordo com as categorias, adicionar outra categoria não é a resposta. Se “transgênero” é apenas mais um rótulo ao qual atribuímos valores e significados para definir as pessoas, o que exatamente se ganha? Mais rótulos não resolvem os problemas criados por rótulos. Como um rótulo que designa uma categoria, “transgênero” torna-se outro estereótipo contra o qual as pessoas individualmente são julgadas.

quarta-feira, 8 de setembro de 2021

Bimbo: vulgar por vontade própria

A palavra Bimbo costuma ser empregada de maneira pejorativa na língua inglesa para insultar mulheres consideradas atraentes, sexualizadas, ingênuas e pouco inteligentes, algo parecido com o "loira burra" que já foi muito popular aqui no Brasil. No entanto, o termo Bimbo está passando por uma transformação e, atualmente, pode até ser considerado um estilo de vida.

Para dar um panorama do termo no passado, você pode olhar o artigo "O ano das Bimbos" do New York Post de 2007 onde o tabloide catalogou, de maneira cruel, as mulheres mais notórias daquele ano consideradas por eles como bimbos, incluindo a Amy Winehouse (uma “bimbo-alternativa” que “eles não conseguiram fazer ir para a reabilitação”), Jamie-Lynn Spears (uma “bimbo-em-treinamento” porque ficou grávida aos 18 anos e posteriormente monetizou suas fotos de gravidez), Britney Spears (que se separou naquele ano e raspou a cabeça), Paris Hilton, Mischa Barton e a própria bimbo-protótipo, Anna Nicole Smith.

Durante muito tempo foi assim que o mundo entendeu o que significava a palavra bimbo. O termo era usado para privar as jovens de sua humanidade e de seu livre arbítrio, algo como uma censura moral, e hoje tem até o termo slut-shaming que descreve bem esse tipo de situação. Era inferido a promiscuidade sexual como um sinal de depravação e falta de inteligência. Também era um conceito usado para diminuir o trabalho cultural de algumas das jovens mais poderosas da época.

O termo evocava inconscientemente imagens de grandes seios de silicone, longos cabelos loiros clareados, roupas justas e maquiagem pesada, enquanto comunicava que todas essas coisas eram de alguma forma inerentemente imorais. Inclusive as conotações negativas do termo são oficiais: a definição de Bimbo no dicionário inglês é "um termo depreciativo para uma mulher atraente, mas frívola".

quarta-feira, 1 de setembro de 2021

Os 5 tipos de homem que encontrei paquerando online como mulher transgênero

No artigo de hoje a Suzanna Alastair, uma mulher transgênero, elencou os principais perfis de homens que ela pôde conhecer enquanto paquerava online ao longo de 2 anos. Apesar de não ser do meu interesse, tive a oportunidade de conhecer diversos desses perfis de homens na internet e achei bem coerente as observações dela. Aliás, eu já escrevi o post T-Lovers, será amor ou ódio? comentando um pouco dessa minha experiência pessoal conhecendo homens online.

Traduzido de Suzanna Alastair

Estou casada há 17 anos com uma mulher maravilhosa, durante os quais fomos estritamente monogâmicos por 14 anos. No início de 2019, minha esposa e eu estávamos casualmente discutindo sobre poliamor quando minha esposa me surpreendeu dizendo que ela achava que ficaria bem comigo, às vezes, namorando outras pessoas. Nisso, ela quis dizer que ficaria bem comigo namorando homens. Seu raciocínio era que um homem poderia me dar algo que ela não poderia.

Deixando de lado a falsa noção de que uma mulher deve ter um homem para ser feliz, ela tinha razão. Um homem poderia me dar algo além do que apenas um pau duro.

Para mim, como uma mulher transgênero, ter um homem heterossexual me vendo e me aceitando como uma mulher completa e me namorando como se fosse qualquer outra mulher cis seria o meu Santo Graal. O problema é que os homens heterossexuais muitas vezes me veem como: um homem, um fetiche, uma experiência a ser vivida, uma maneira de realizar seus desejos homossexuais de forma segura ou qualquer combinação disso.

Ter um homem que me aceite e me ame como a mulher que eu sou, sem quaisquer reservas ou obstáculos, e que me ame como faria com qualquer outra mulher, é algo que minha esposa não pode me dar.

Aqui está o dilema. Encontrar tal homem não é tão simples quanto ter esperança ou fantasia. Eu não sou uma mulher típica. Além disso, sou transgênero, mas não sou submissa. Eu sou uma mulher forte. Nas práticas fetichistas sou uma dominadora, isso significa que quem está no controle sou eu. Os homens normalmente não gostam quando uma mulher tira o controle deles. Bom, homens submissos sim. Mas, eu não quero um homem submisso. Eu quero um homem que sabe que é um homem, mas que também seja um cavalheiro.

Portanto eu passei dois anos paquerando online usando sites como Badoo, okcupid e um site finlandês chamado Alastonsuomi, e a maioria dos homens que me abordaram se enquadram nesses cinco perfis:


1. Opa! Eu cometi um erro!
Esse tipo de homem raramente lê o meu perfil que diz claramente logo na primeira frase que eu sou uma mulher transgênero. Eles me veem como uma mulher (que eu sou), mas presumem que sou uma mulher cis. Então eles começam a dança do acasalamento comigo fingindo serem todos doces e tal.

Um exemplo disso foi um homem que me escreveu no okcupid. Ele era um homem branco e careca do Texas, cujo perfil afirmava que ele era um cristão devoto e apoiador do Trump. Ele não é alguém que eu esperaria que tivesse interesse em uma mulher transgênero. Ele se aproximou de mim com educação e começou a fazer perguntas sobre coisas que eu já havia abordado no meu perfil. Sabendo que ele não tinha lido o que eu escrevi, perguntei se ele leu no meu perfil que eu sou uma mulher transgênero. Ele admitiu que não leu e pareceu meio confuso por ter se sentido atraído por uma mulher trans. A vergonha e o constrangimento fluíram de seu pedido de desculpas. Eu quase podia imaginá-lo com o rosto vermelho enquanto escrevia o pedido de desculpas.

quarta-feira, 25 de agosto de 2021

HQ - Boneca da Raan (49)

História em quadrinhos traduzida de KannelArt
Outros sites do artista:  Patreon  /  DeviantArt  /  Twitter  /  Tumblr  /  Discord

Primeiro capítulo
<< Capítulo anterior

quarta-feira, 18 de agosto de 2021

Entrevista com Dafni Cocó - Fundadora do estúdio Dafni Girls

Recentemente eu vi que saiu uma entrevista da maravilhosa Dafni Cocó no site All About Crossdresser e tive que traduzir aqui para o blog. Ela é uma mulher cis que trabalha com estética e beleza e que tem aberto as portas do universo feminino para inúmeros crossdressers há quase 10 anos na Espanha. Pude notar a paixão e o respeito que ela sente pelo que faz numa entrevista que eu assisti há um bom tempo e isso me marcou, espero um dia poder conhecer ela pessoalmente e, quem sabe, até pegar umas dicas! 

Traduzido de All About Crossdresser

Tivemos uma ótima oportunidade de entrevistar a linda e charmosa Dafni Cocó, fundadora do Dafni Girls, que é um estúdio de crossdressing localizado nas cidades de Madrid e Valência na Espanha. Confiram esta entrevista especial.


P) Olá Dafni, muito obrigado por nos permitir realizar essa entrevista. Conte-nos um pouco sobre você e o que você faz.

DAFNI: Meu nome é Dafni Cocó, nasci em Barcelona em 1985, sou estilista, maquiadora e fotógrafa. Dediquei meus estudos a tudo relacionado a imagem e beleza. Sou apaixonada por moda e arte, e me considero uma pessoa motivadora e empreendedora que gosta de realizar seus próprios sonhos, querendo-os e amando-os. Amo viver, curtir e saborear os grandes prazeres que a vida nos proporciona.

Dafni Cocó

quarta-feira, 11 de agosto de 2021

Por que de azul para meninos e rosa para meninas?

Cada geração traz uma nova definição de masculinidade e feminilidade e isso acaba se manifestando nas roupas infantis. Esse negócio de azul para meninos e rosa para meninas é algo relativamente recente pois o costume surgiu apenas no meio do século passado, fora que no caminho ainda teve um empurrãozinho da indústria da moda para incentivar os pais a gastar mais dinheiro com as roupas dos filhos. 

Adaptado de Smithsonian Magazine

O pequeno Franklin Delano Roosevelt, 32º presidente dos Estados Unidos, se apresenta na foto sentado recatadamente em um banquinho, com uma saia branca espalhada suavemente sobre o seu colo e com as mãos segurando um chapéu enfeitado com uma pena de marabu. Cabelo na altura dos ombros e sapatos de festa de couro envernizado completam o conjunto.

As pessoas costumam achar essa aparência meio inquietante hoje para um menino, porém a convenção social de 1884, quando Roosevelt foi fotografado aos 2 anos e meio, ditava que os meninos e as meninas deveriam usar vestidos até os 6 ou 7 anos de idade. Também era nessa idade que costumava ocorrer o primeiro corte de cabelo da criança. A roupa do Franklin era considerada neutra em termos de gênero.

Assim como os outros meninos da sua época, Franklin Roosevelt aparece trajando um vestido na foto.
Este retrato de estúdio provavelmente foi tirado em Nova York em 1884.

Hoje em dia as pessoas tem a necessidade de saber o sexo de um bebê ou de uma criança pequena logo à primeira vista, diz Jo B. Paoletti, historiadora da Universidade de Maryland e autora do livro Pink and Blue: Telling the Boys From the Girls in America (Rosa e azul: separando os meninos das meninas na América, 2012, sem versão em português). Assim, vemos, por exemplo, uma faixa rosa envolvendo a cabeça calva de uma menina.

Por que o estilo de roupa das crianças mudou tão drasticamente?
Como terminamos com duas “equipes”, meninos de azul e meninas de rosa?

“É, na verdade, a história do que aconteceu com as roupas neutras”, diz Paoletti, que explorou o significado das roupas infantis por 30 anos. Por séculos, diz ela, as crianças usaram vestidos brancos delicados até os 6 anos de idade. “O que antes era uma questão de praticidade – você veste seu bebê com vestidos e fraldas brancos; algodão branco pode ser branqueado – tornou-se uma questão de ‘Meu Deus, se eu vestir meu bebê da maneira errada ele vai se tornar um pervertido’ ”, diz Paoletti.

quarta-feira, 4 de agosto de 2021

Crossdressers contam sobre a primeira vez que foram flagrados travestidos

Se você é um crossdresser e nunca passou pelo desespero de ser pego no flagra enquanto estava travestido você pode se considerar uma pessoa de sorte. No meu caso, antes de sair do armário, eu passei por vários sustos. Lembro de eu ser visto de relance pelo meu irmão mais novo enquanto eu estava usando roupas da minha irmã e depois ter que inventar pra ele que ele viu algo diferente. Lembro da minha mãe me questionando se tinha sido eu quem tinha mexido numa bota de cano longo dela que estava guardada de um jeito estranho (sim, claro que foi). Também lembro de quando eu deixei uma blusinha minha dando sopa pela casa e minha ex-esposa me questionou se eu estava traindo ela com outra mulher por conta disso... Enfim, aconteceram várias experiências do gênero que renderiam boas histórias.

Embora eu deseje que ninguém precise ficar escondendo que gosta de usar uma determinada roupa ou que tem um certo comportamento afeminado, sei bem o quanto isso ainda é complicado na nossa sociedade. Tanto que a maioria absoluta dos crossdressers que eu já conheci mantém a prática em segredo, não abrindo nem para a esposa/namorada.

Sendo assim, trouxe aqui algumas histórias de outros crossdressers contando sobre como foi que eles acabaram sendo descobertos usando roupas femininas. É divertido, emocionante e, talvez, um pouco assustador de ler. Falo isso pois me enxerguei em várias passagens do texto. Mas uma coisa eu digo, por mais controverso que pareça, essa sensação de medo e desespero praticamente some depois que você consegue sair de dentro do casulo. Quem sabe isso faça você se questionar se realmente vale a pena viver plenamente apenas em segredo.

Traduzido de All About Crossdressers

Ser descoberto usando roupas femininas certamente não é uma experiência divertida. Isso pode causar um sentimento de vergonha ou de humilhação para a maioria dos crossdressers. Como boa parte dos homens que praticam crossdressing se vestem escondidos, há sempre uma chance de serem pegos se não forem suficientemente cuidadosos. Normalmente eles são pegos travestidos no flagra ou são descobertos por conta de suas roupas e acessórios que não estavam adequadamente escondidos.

Apresento, a seguir, algumas histórias de crossdressers falando sobre a primeira vez que foram pegos usando roupas femininas.


Rachel Garner
“Na minha infância, comecei a desenvolver um grande fascínio por roupas íntimas femininas. Também fiquei bastante curioso com a meia 7/8 e a meia-calça. Minha irmã mais velha usava belas calcinhas e meias de nylon, o que realmente despertou o meu interesse. Cada vez mais eu tinha pensamentos a respeito de usar as lingeries e as roupas dela e até comecei a ter dificuldade para dormir por conta disso.

Eu podia sentir que a necessidade de me vestir como uma garota ia aumentando muito rapidamente e estava ficando impossível de resistir. Então um dia eu decidi entrar furtivamente no quarto da minha irmã e experimentar o que eu pudesse encontrar para vestir.

Escolhi a hora certa, quando não havia ninguém por perto e fui para o quarto dela. Eu podia sentir meu coração batendo muito mais rápido e estava muito animado. Abri seu armário e vi muitas calcinhas e sutiãs cuidadosamente dobrados em um canto do armário. Eu os toquei suavemente e pude sentir como eram macios e sedosos.

Peguei uma calcinha rosa e a segurei por um breve momento em minhas mãos, apenas a sentindo. Tirei a minha calça e a cueca que eu estava usando e, em seguida, coloquei a calcinha e a puxei pelas minhas pernas. Foi incrível como eu me senti bem. Eu parei na frente do espelho e não consegui parar de me olhar.

Então, minha atenção foi para a coleção de sutiãs. Peguei um sutiã com bojo e experimentei também. Levei um bom tempo para colocá-lo, já que eu não tinha nenhuma experiência em vestir sutiãs antes disso. Depois que eu finalmente o vesti, eu estava bem animado com a expectativa de usar roupas íntimas femininas.

Foi tão bom que eu não conseguia parar de me admirar no espelho. Então, depois de algum tempo, eu os tirei e coloquei de volta do jeito que estava na gaveta. Foi minha primeira experiência de crossdressing. Desde então, eu entrava furtivamente no quarto da minha irmã e experimentava as roupas dela sempre que tinha alguma oportunidade.

Poucos meses depois, eu estava sozinho em casa e decidi me montar. Sem eu saber, minha irmã estava voltando da universidade mais cedo para casa neste dia em particular. Eu me vesti com as roupas íntimas dela e também coloquei um vestido floral. Eu estava me divertindo na frente do espelho quando de repente ouvi a porta dos fundos se abrir e isso me deu um grande susto. Fiquei completamente surpreso e não sabia o que fazer. Eu estava prestes a tirar o vestido quando de repente a porta se abriu e minha irmã me viu e ficou completamente chocada.

quarta-feira, 28 de julho de 2021

Quando eu percebi que era transgênero (ou não-binário)

Seria ótimo se nós tivéssemos um tipo de clareza súbita na nossa mente nos trazendo a compreensão do próprio ser, mas a realidade passa longe disso. Na verdade se trata de um processo intimo de autoconhecimento que cada um vivencia de um modo diferente e que acaba tendo relação direta com a maneira como as pessoas à sua volta tratam as questões de gênero ao longo da sua vida.

No meu caso, desde criança eu sentia um desgosto cada vez que ouvia que a minha imagem exterior tinha que refletir o poder do meu aparelho reprodutor. "Um homem tem que ter cara de homem, ué". Ou então quando as minhas ações ou desejos não poderiam ser realizados por se tratar de algo considerado feminino. "Como assim você quer aprender balé? Você vai é jogar futebol, se quiser aprender uma dança então aprenda dança de salão que isso vai te ajudar a pegar mulheres". Ah sim, também quando tudo se resumia a fazer algo ou não simplesmente para poder "pegar mulher".

Essas pequenas questões ao longo da vida nos faz questionar se realmente queremos ser isso que estão nos empurrando para ser com base no nosso aparelho genital. Pra piorar, a sociedade ainda martela na nossa cabeça que cada impulso e cada prazer da nossa existência é errado e vai contra a natureza. Essa experiência pode acabar fazendo você odiar viver na sua própria pele, pois sempre vai haver uma fricção dolorosa entre quem você é e quem você finge ser.

O texto a seguir, do Jay M, apresenta com detalhes alguns desses momentos que ele vivenciou e que o fez questionar sobre quem ele realmente é.

Traduzido de Jay M

Muitas vezes me perguntam: "Quando você percebeu que era transgênero?" ou alguma variação dessa pergunta. Enquanto algumas pessoas trans talvez possam se lembrar do momento exato em que isso aconteceu com elas, o mesmo não aconteceu comigo. Eu tive uma série de momentos do tipo "ah-ha" ao longo da minha vida que eu chamo de minhas memórias perdidas de menino. Essas memórias são breves momentos que me fizeram perceber que eu era diferente, mas de uma forma que eu ainda não conseguia colocar em palavras. Olhando para trás agora, fica claro que esses foram os momentos em que o garotinho perdido aqui dentro estava tentando encontrar o caminho de fora. A seguir, compartilho três dessas memórias que compõem os diversos capítulos da minha jornada para me tornar um homem trans e viver como meu eu mais autêntico.


Memória perdida de menino #1
Eu tinha cinco anos de idade e caminhava com meu pai ao longo da costa da Califórnia quando parei, olhei para ele e exclamei: "Eu quero ser um menino." Meu pai respondeu sem hesitação: “Ok. Por que você quer ser um menino?” Expliquei: “Quero jogar basquete com os outros meninos e me casar com uma esposa quando eu crescer”. Mais uma vez, sem hesitar, meu pai respondeu com calma e naturalidade: “Você pode jogar basquete, ter uma esposa E ser uma menina”. E com isso continuamos caminhando. Naquele momento, essa resposta conseguiu resolver meu conflito interno. Este foi um dos vários momentos ao longo dos últimos 25 anos em que meu menino perdido tentou encontrar o caminho para fora do meu corpo feminino.

quarta-feira, 21 de julho de 2021

10 coisas que você precisa saber antes de namorar um crossdresser

O texto a seguir trás algumas observações de uma mulher a respeito do relacionamento dela com um rapaz que pratica crossdressing (usa roupas femininas), e a maioria do que ela escreveu faz muito sentido para mim. Eu já trouxe aqui o texto de outra mulher que ficava meio insegura com a situação, mas nesse caso ela parece que soube tirar um bom proveito desse estilo de vida do companheiro dela.

Traduzido de Travmaga

Meu namorado é um crossdresser.

1. Travestir-se é divertido.
Quando meu namorado se transforma em uma mulher, ele se diverte. Geralmente quando ele está em uma festa ele sempre fica por cima e age de maneira ultrajante.

2. Alter egos existem.
Meu namorado é um daqueles caras sensíveis que sempre me pergunta se eu estou me sentindo confortável em uma festa e que fica de olho em mim o tempo todo. Ele começa a chorar aleatoriamente ao ver um cachorro de rua ou quando assistimos ao Master Chef Junior. Ele é muito sensível. Mas quando ele se transforma na Galaxia, ele se torna uma pessoa diferente. A Galaxia é vaidosa, egocêntrica e prospera como o centro das atenções.

3. Crossdressing é assustador para a parceira do crossdresser.
Eu não vou fingir que ver meu namorado se transformando em uma mulher e flertando com um homem na minha frente não me assustou. Meu principal medo era que meu namorado fosse na verdade um gay enrustido. Acontece que este é um equívoco muito comum sobre os crossdressers e tem a ver com a forma como o conceito de gênero foi ensinado a nós quando eramos crianças. Em um certo momento eu expressei algumas das minhas preocupações para meu namorado, e ele ficou perplexo com elas: “Eu gostaria de ser gay”, disse ele. "Teria sido uma ótima maneira de irritar meu pai."

quarta-feira, 14 de julho de 2021

Homem de calcinha, porque não?

Recentemente o ator Milhem Cortaz interpretou o personagem Joubert Machado na novela O Sétimo Guardião da Globo, um respeitado delegado da cidade fictícia de Serro Azul. Com voz grossa e postura viril, ninguém desconfia que o policial usa calcinha. Apesar disso, o personagem é machista, defensor dos "bons costumes", além de ser muito ciumento com a esposa Rita de Cássia, vivida por Flávia Alessandra.

O caso trouxe o assunto para o público geral e, sob o olhar da sociedade, parece se tratar de uma prática estranha e inusitada. No entanto, no submundo dos crossdressers isso é algo tão banal que algumas pessoas até tentam dissociar o termo crossdressing dos homens que apenas adotam a calcinha pois, apesar de ser uma roupa do sexo oposto, pouco se compara a uma produção completa com roupas, acessórios e maquiagem.

Pode não parecer, mas essa prática atrai um grande número de homens pelo mundo inteiro. Embora seja mantida em segredo nas culturas mais conservadoras e machistas, nós só não temos noção do seu alcance porque as roupas íntimas são bem protegidas pelas camadas exteriores. Caso contrário, tenho certeza que já seria um comportamento naturalizado.