sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Gabriel(a) (05) - Wild Fear

Primeiro capítulo
<< Capítulo anterior
>> Próximo capítulo


O táxi em que estava Gabriela parou em frente a uma grande casa noturna chamada Wild Fear. Durante o dia esse lugar mal chama a atenção, mas basta chegar no horário de abertura que é possível ver a iluminação da fachada de longe. A casa se encontrava aberta e uma fila ia se formando enquanto dois guardas cuidavam da entrada.

Gabriela avistou o Matheus conversando com um grupo de pessoas fora da fila mas preferiu tentar tentar encontrar alguém com quem tivesse mais intimidade primeiro. Como não viu mais ninguém, ela pegou o seu celular e pensou: Cheguei um pouco cedo, quem mais será que esta aqui? Alias, quem mais será que vem? Esqueci disso, vou ligar para a Marina!

Marina: Alô?!

Gabriela: Oi Marina, é a Gabriela. Tudo bem? Você vem na Wild Fear também?

Marina: Oi Gabriela, tudo bem sim! Nossa Wild Fear? Eu não estava sabendo dessa festa...

Gabriela: Foi o Matheus que convidou por mensagem! Bom, eu estou aqui já, você quer vir então?

Marina: Putz, eu estou em um compromisso... na verdade estou em um encontro...

Gabriela: Que legal! Fico feliz por você, é com aquele rapaz do seu prédio?

Marina: Isso mesmo, o Samuel. Bom, vou ver como vai desenrolar essa noite com ele e qualquer coisa eu te ligo!

Gabriela: Certo, e você conhece essa Wild Fear?

Marina: Na verdade não lembro de ter ido nessa balada... Tem certeza que era esse o nome do lugar? Para mim que era num barzinho mais cedo...

Gabriela: Bom, foi isso que eu li na mensagem! Não vou te atrapalhar mais, qualquer coisa me liga, hein! Beijo!

Marina: Pode deixar amiga, beijão!

Assim que desligou o telefone, ela vira e da de cara com um rapaz que aparenta querer falar com ela:

Enzo: Olá, você é a Gabriela, não é?

Gabriela olha para ele, vê um rapaz baixo, bem vestido e com rosto familiar mas nada de se lembrar quem ele é.

Enzo: Meu nome é Enzo e eu também trabalho na Atyra!

Gabriela: Agora eu me lembro de você. Acho que nunca nos falamos no trabalho, não?

Enzo: É verdade. Cheguei a um tempinho e não encontrei mais nenhum conhecido...

Gabriela: Eu vi o Matheus bem ali, agora pouco - Apontando para um grupo de pessoas - mas acho que ele não está mais por ali, suponho que tenha entrado!

Enzo: Você esta esperando mais gente?

Gabriela: Estou tentando encontrar algum rosto conhecido...

Enzo: Se importa se eu te acompanhar?

Gabriela: Sem problemas!

Eles andaram mais um pouco, trocaram algumas palavras, notaram as pessoas na fila e não encontraram nenhum conhecido. No entanto, perceberam que o estilo do pessoal não era bem o que eles esperavam. Eles viram gente com roupa de latex, moças com saltão agulha, roupas de couro, bundas de fora, enfim, não parecia uma baladinha dançante qualquer.

Gabriela: O que achou daqui?


Enzo: Peculiar...? - Sorri

Gabriela: hahaha, você esta sendo bonzinho ao descrever como peculiar. Será que entramos?

Enzo: Se o Matheus estava por aqui, acho que era bom pelo menos cumprimentá-lo.

Gabriela: Esta certo, vamos para a fila então.

Não demorou muito tempo na fila até um segurança apontar para a Gabriela e falar:

Segurança: Você, pode vir.

Gabriela olha para os lados, pra trás, aponta pra si mesma e pergunta: Eu?

Segurança: Sim, você mesma!

Gabriela puxa o Enzo junto com ela e responde: Sou a Gabriela e meu nome deve esta na lista do Matheus.

Segurança: Sem problemas, e quem é você? - se dirigindo ao Enzo

Gabriela se adianta e responde: Ele é o Enzo e esta comigo, deve estar na mesma lista.

Segurança faz cara aquela típica cara de segurança e responde: Ok.

Gabriela puxa o Enzo pela mão e arrasta ele para dentro.

Gabriela: O que aconteceu? Nunca vi esse cara...

Enzo: Não importa, estamos dentro!

Quando se dão conta que estão dentro eles finalmente reparam no ambiente. O lugar é bem escuro, levemente iluminado por luzes vermelhas, possui um grande palco com uma corredor para apresentações, 3 jaulas com moças e rapazes dançando dentro, uma seção para adoradores de pés e sapatos, enfim, um paraíso fetichista.


Ambos se perderam reparando nos detalhes do ambiente até que aparece um atendente vestindo uma roupa de empregada em látex, um salto agulha e uma mascara de látex cobrindo todo o rosto, somente deixando os olhos de fora e um zíper fechado na boca. Ele ajoelha na frente da Gabriela e coloca a bandeja na sua frente, como se fosse uma oferenda.

Gabriela: Acho que esse é o tal drink Perua, como estou de salto eu vou pegar um!

Enzo: Nessas horas eu queria estar de salto!

Gabriela: Haha, não é tão difícil quanto parece e nessas horas ajuda!

Enzo: Na verdade eu tenho um par no meu carro.
0 Comentário(s)
Comentário(s)

Nenhum comentário: